Saúde da mulher

Fetos expostos ao álcool têm estrutura cerebral anormal, aponta estudo

Crédito: Freepik

Não é novidade que mulheres grávidas devem ficar longe de cigarros, drogas e bebidas alcoólicas. Entre as consequências dos vícios ao feto, pesquisadores estudaram o impacto do consumo de álcool pela mãe no desenvolvimento neural pré-natal, e descobriram que fetos expostos ao álcool têm estrutura cerebral anormal. As informações são do “IFL Science”.

+ Estudo revela que taxa de depressão pós-parto no Brasil dobrou na pandemia


+ O que causa o aborto espontâneo? Ele é muito comum no início da gravidez?

Segundo os resultados do estudo, a exposição ao álcool leva à mudanças estruturais significativas nas principais regiões do cérebro, incluindo o hipocampo e a matriz germinativa, áreas onde as células cerebrais são geradas durante o crescimento fetal inicial.

Outras pesquisas pós-natal indicam que o consumo de álcool durante a gestação desencadeia nos bebês transtornos do espectro alcoólico fetal. Segundo os estudos, crianças com essa condição tendem a ter hipocampos aumentados, que comumente resultam em dificuldades de aprendizagem ou problemas comportamentais.

O estudo 

Pesquisadores da Universidade Médica de Viena, na Áustria, usaram imagens de ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês) para escanear o cérebro de 27 fetos com idades gestacionais entre 20 e 37 semanas expostos ao álcool, e compararam com outros 36 que não foram expostos à substância.

Para descobrir o efeito do álcool, foram analisados o volume total de 12 regiões diferentes do cérebro. Os resultados indicaram que os fetos expostos ao álcool tinham hipocampos e corpo caloso — que conecta os dois hemisférios do cérebro —  maiores, em comparação aos demais. A alteração do corpo caloso pode estar associada as anormalidades estruturais em ambos os hemisférios do distúrbio do espectro alcoólico fetal.

Os fetos expostos ao álcool ainda apresentaram diminuição do volume na zona periventricular e na matriz germinativa. 

Embora mais pesquisas sejam necessárias para descobrir todas as implicações das descobertas da equipe, os exames destacam que “a exposição ao álcool durante a gravidez coloca o cérebro em um caminho de desenvolvimento que diverge de uma trajetória normal”, segundo o autor do estudo Gregor Kasprian