Edição nº2552 15/11 Ver edições anteriores

A festa para Gaultier: “Estou muito animado com a caipirinha”

Em passagem pelo Rio para lançar suas fragrâncias, o estilista Jean Paul Gaultier cai na dança em festa em Santa Teresa

A festa foi excêntrica, bem ao estilo de Jean Paul Gaultier, o eterno enfant terrible da moda. Na noite quente de domingo 16, na mansão Villa Philippe, em Santa Teresa, no Rio de Janeiro, o estilista francês que inventou há 26 anos o corset com sutiã em forma de cone para Madonna ganhou um pocket show de Elza Soares. Dançou “Toda menina Baiana”, de Gilberto Gil, com uma bailarina nua, que usava apenas uma saia em forma de cacho de banana.

Entre drag-queens, baianas, marinheiros, descamisados, transformistas e figuras psicodélicas, apresentadora Sabrina Sato ensaiou alguns passinhos com o designer de 64 anos durante seu rasante pela festa. Luiza Brunet, Paula Lavigne, Vik Muniz, Deborah Nascimento e José Loreto também passaram por lá.

A amiga Bethy Lagardère era a companhia mais constante de Gaultier. “Adoro o Brasil, e é a primeira vez que passo mais tempo aqui. Estou muito animado em tomar caipirinha”, disse Gaultier em vídeo exclusivo para a colunista de IstoÉ, Gisele Vitória.

Apesar do calor escaldante, ele não tirou o paletó de couro preto. Posou para centenas de fotos, dançou, provou acarajé e quindim.

Em passagem pelo Brasil por quase uma semana, Gaultier veio para o lançamento das novas edições de suas fragrâncias ícones Classique e La Male, que foram sucesso nos anos 90. Nesta segunda-feira 17, ele sobe o morro do Vidigal para um jantar de comidas típicas brasileiras. Participa ainda de uma roda de samba da Cantoria, de Paula Lavigne, e conhecerá um projeto social para crianças, no Vidigal, do artista plástico Vik Muniz. Gaultier deixa o Brasil na quarta-feira 19.


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.