Mundo

Festa folclórica do bumba meu boi é declarada Patrimônio da Humanidade

Festa folclórica do bumba meu boi é declarada Patrimônio da Humanidade

Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco - AFP

A celebração folclórica do Bumba Meu Boi Maranhense, que mistura arte popular, religião e história para honrar o boi, foi reconhecida pela Unesco nesta quarta-feira (11) como parte do Patrimônio Imaterial da Humanidade.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

O anúncio foi feito em Bogotá, primeira capital latino-americana a sediar o comitê especial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Durante as festas juninas, um verdadeiro carnaval de rua toma conta das ruas do Maranhão, com mais de 400 grupos que montam coloridos desfiles, coreografias e peças teatrais para celebrar a ressurreição do boi, personagem central da festa.

É uma tradição que funde elementos do catolicismo, das religiões afro-brasileiras, da vida pastoril e das culturas indígenas presentes no estado.

Conta a lenda que a escrava Catirina, grávida do marido, Francisco, sentiu desejo de comer língua de touro. Para satisfazer a esposa, ‘Chico’ roubou e sacrificou o melhor animal da fazenda, provocando a ira do patrão. Mas com ajuda de curandeiros, o animal ressuscitou e o escravo escapou do castigo, dando início a uma grande festa.

O boi é confeccionado com luxo e cuidado em uma moldura de madeira, coberta com um pano de veludo bordado à mão, com milhares de lantejoulas, canutilhos e fitas brilhantes que compõem as tapeçarias nas quais as histórias são contadas.

Além do boi, há outros personagens coadjuvantes: escravos, o dono da fazenda, vaqueiros e indígenas, todos vestidos com máscaras, chapéus e fantasias exuberantes.

Uma banda com um pandeiro gigante, matracas, tambores e chocalhos, acompanhada por cantos tradicionais, marca o ritmo do espetáculo, para o qual são invocadas as bênçãos dos santos católicos (São João, São Pedro e São Marçal) e figuras de cultos afro-brasileiros.

A Unesco recebe anualmente centenas de pedidos dos 178 países que ratificaram a convenção, mas aceita considerar pouco menos de 50. Seus especialistas apresentam recomendações favoráveis ou desfavoráveis a um comitê integrado por 24 países, ao qual cabe tomar a difícil decisão.

O anúncio do Bumba meu boi como patrimônio cultural da humanidade, além de reconhecer o valor da celebração, enaltece os ofícios e saberes tradicionais que sustentam essa prática, presente com variações em outros estados brasileiros.

Embora tenha se estendido a outras camadas da sociedade e atraia um grande número de turistas, os principais protagonistas da festa continuam sendo operários, trabalhadores rurais, pescadores e pequenos comerciantes locais.

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea