Economia

Febraban eleva estimativa para expansão de crédito em 2022 para 8,3%


A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) elevou a estimativa para expansão de crédito em 2022. A entidade prevê que o saldo da carteira total de crédito neste ano deverá crescer 8,3%. O número consta da Pesquisa Febraban de Economia Bancária e Expectativas. O levantamento anterior, feito em fevereiro, projetava uma expansão de 7,6%.

Segundo a entidade, a nova projeção se aproxima da atual estimativa apresentada pelo Banco Central no último Relatório de Inflação, de 8,9%. O crescimento, explica a Febraban, deve ser liderado pela carteira com recursos livres, com expectativa de nova expansão de 2 dígitos, chegando a uma alta de 10,8%.

A melhoria na estimativa das projeções da carteira de crédito para 2022 ocorre pela segunda vez neste ano e reverte a tendência de piora nas projeções que ocorriam desde setembro do ano passado.

“A perspectiva é de mais um ano de crescimento importante do crédito, mesmo diante de um cenário macroeconômico mais desfavorável, com arrefecimento da atividade e condições financeiras mais restritivas do que se imaginava”, destaca em nota o presidente da Febraban, Isaac Sidney.

Para o diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da entidade, Rubens Sardenberg, as recentes revisões positivas para a expansão da carteira de crédito em 2022 podem ser atribuídas aos bons números do crédito conhecidos até o momento, ao viés de alta nas projeções da inflação, e, também, ao melhor desempenho esperado da atividade no ano, especialmente após o bom resultado no 4º trimestre de 2021″, e considerando que ao final do ano passado o mercado estava particularmente pessimista.

“Em outros termos, mesmo se esperando um ano difícil, as expectativas para o crescimento agora parecem um pouco melhores, o que ajuda no crédito”, avalia Sardenberg.

O diretor destaca que a revisão da carteira com recursos livres foi liderada pela carteira Pessoa Jurídica, que passou de alta de 9,2% para 10,5%, e, em menor grau, da carteira Pessoa Física – de expansão de 9,8% para 10,5%.

Em relação à carteira com recursos direcionados também houve revisão para cima, embora mais modesta, de 5,0% para 5,3%. Esta foi a primeira edição em que a pesquisa solicitou as aberturas para Pessoa Física e Pessoa Jurídica nesta modalidade.

No caso da carteira Pessoa Física direcionada, a expectativa é de que a carteira mostre uma expansão importante no ano, de 8,8%.

Já para a carteira Pessoa Jurídica direcionada, a estimativa é de estabilidade (+0,2%), resultado ainda afetado pelo término dos programas públicos de crédito e com incerteza da possibilidade de novas rodadas dos programas.

Para 2023, a média das projeções para a expansão da carteira total ficou estável em 6,6%, com a revisão positiva na carteira com recursos livres (de 7,6% para 8,1%) compensada pela revisão negativa da carteira direcionada (de 4,4% para 3,9%).

Inadimplência

A pesquisa também capturou uma revisão para cima na expectativa para a taxa de inadimplência da carteira livre deste ano, de 3,7% na pesquisa de fevereiro para os atuais 4,0%. Assim, a perspectiva é de alguma deterioração ao longo de 2022, retornando ao patamar pré-pandemia.

PIB e Inflação

Em relação ao desempenho esperado do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, a surpresa positiva no resultado do 4º trimestre de 2021 trouxe melhora nas projeções. A grande maioria (84,2%) segue esperando alguma expansão no ano, mas agora com mais participantes (36,8%) projetando crescimento acima de 0,5%.

Quanto ao cenário inflacionário, a maioria dos participantes (89,5%) entende como improvável que o Banco Central consiga entregar a inflação no centro da meta (3,25%) em 2023, embora a maior parte (84,2%) espere que o indicador perca força e convirja para o intervalo superior da meta (até 4,75%), enquanto os outros 5,3% acham que inflação pode superar o teto da meta novamente.

Selic e Câmbio

De acordo com a pesquisa, os participantes se mostraram divididos em relação às sinalizações do Copom para a próxima reunião. Para 42,1%, devido ao cenário de elevada incerteza, o colegiado não deveria atrelar de forma tão explícita a condução da política monetária aos preços do petróleo, com risco de ter que reverter sua estratégia.

A mediana das projeções para a Selic prevê uma taxa terminal de 13,25% ao ano (com nova alta de 1,0 ponto porcentual na reunião de maio, seguida por um ajuste final de 0,5 ponto porcentual na reunião de junho), acima do sinalizado pelo Banco Central, de 12,75% ao ano.

Para o câmbio, a expectativa é de depreciação nos próximos meses, retornando para o patamar de R$ 5,30 até o início do quarto trimestre.

A Pesquisa Febraban é feita a cada 45 dias, logo após a divulgação da Ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O atual levantamento reuniu as percepções de 19 bancos entre 22 e 29 de março sobre a última Ata e as projeções para o desempenho das carteiras de crédito para o ano corrente e o próximo.