Mundo

Fascinado por líderes da esquerda, Maradona morre no mesmo dia que Fidel Castro

Fascinado por líderes da esquerda, Maradona morre no mesmo dia que Fidel Castro

Foto de Maradona junto a Fidel Castro em 26 de outubro de 2005. - CANAL 13/AFP/Arquivos

Ele descreveu o líder cubano Fidel Castro como seu “segundo pai” e, em sua vida cheia de metáforas, a última foi que Diego Maradona morreu no mesmo dia que o líder cubano.

Era amigo do venezuelano Hugo Chávez e jogava futebol com o ex-presidente boliviano Evo Morales: a rebelião juvenil de Diego Maradona tornou-se com o tempo um fascínio pela esquerda latino-americana no poder.

“Sempre tivemos um relacionamento muito bom, uma amizade muito boa. Desde o primeiro dia em que você veio aqui com sua namorada” em 1987, disse Castro sobre Maradona em entrevista em 2005.

Castro o presenteou com uma jaqueta verde-oliva e lembrou que naquele primeiro encontro, 18 anos antes, lhe dera o boné militar autografado.

Maradona mostrou a tatuagem em sua perna esquerda: uma imagem de Fidel. “Nossa, é uma honra”, disse o surpreso interlocutor.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

A entrevista de Fidel aconteceu um ano depois de Maradona terminar em Cuba um tratamento de recuperação de seus vícios que começou em 2000, com muitas idas e vindas.

“Fidel abriu as portas para mim quando no meu país muitas clínicas as fechavam”, agradeceu o ’10’.

Eles se conheceram em 28 de julho de 1987, um ano após a consagração de Diego na Copa do Mundo do México-1986, quando foi eleito o “melhor atleta do ano”, escolhido em pesquisa da agência cubana Prensa Latina.

O ’10’ não era um homem de esquerda e dois jornalistas argentinos, Carlos Bonelli e Pablo Gionto, tiveram que mediar para convencê-lo a ir ao país caribenho receber o prêmio.

Haveria outras visitas e uma década depois, Diego tatuou Che Guevara no braço, 30 anos após a morte do guerrilheiro argentino-cubano. Quando Castro morreu em 2016, Maradona compareceu ao funeral.

“Morreu o maior de todos, Fidel Castro nos deixou. Fui tomado por um choro terrível porque era como um segundo pai. Morei quatro anos em Cuba e Fidel me ligava às duas da manhã para falar de política ou esportes”, declarou Maradona naquele momento.

– “O trem da Alba” –

Em 2015, dias antes da chegada a Cuba de “Pelusa” para gravar o programa “De Zurda” na Telesur, rede multiestatal latino-americana da qual foi comentarista em duas Copas do Mundo, Castro lhe enviou uma carta.

“Graças às minhas conversas com você nos anos mais brilhantes de nosso inesquecível amigo (o falecido presidente venezuelano) Hugo Chávez, deduzi que o encontro em Mar del Plata não poderia ser esquecido. Hugo lembrou aos Estados Unidos que havia uma outra América”, escreveu Castro em a carta de 11 de janeiro de 2015.

Ele se referia à IV Cúpula das Américas que se reuniu na cidade argentina de Mar del Plata em novembro de 2005 e na qual os presidentes latino-americanos impediram a formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), promovida pelo então presidente dos Estados Unidos George W. Bush.

Sob o lema “Não à Alca”, milhares de militantes lotaram um estádio em Mar del Plata. Muitos chegaram de Buenos Aires no “Trem da Alba”, entre eles o próprio Maradona, que esteve ao lado de Chávez durante todo o evento. Evo Morales, que logo depois seria eleito presidente da Bolívia, também viajou.

Maradona foi convidado várias vezes a Caracas e só tinha palavras de elogio ao “comandante”. “Estou com Chávez até a morte”, disse.

No quinto aniversário da morte do presidente venezuelano em 2018, o ex-jogador de futebol dedicou uma mensagem a ele no Instagram. “A memória mais linda do mundo foi quando (Chávez) agarrou minha mão em Mar del Plata e me disse: ‘Você fica ao meu lado …’”, escreveu.

Seu apoio se estendeu ao presidente Nicolás Maduro. Como técnico do Gimnasia La Plata, costumava ser visto usando um boné com as cores da bandeira venezuelana, identificada com o chavismo.

– Futebol nas alturas –

“A justiça foi feita hoje”, escreveu o ex-jogador em novembro de 2019, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi libertado da prisão após 19 meses de prisão.

Algum tempo antes ele havia publicado “Lula querido, Diego está com você!”.

Fiel às amizades, Maradona jogou um amistoso com Evo Morales em La Paz para apoiar o direito da Bolívia de jogar aos 3.600 m de altitude de La Paz, que a Fifa queria impedir.

“Lamento o golpe de Estado orquestrado na Bolívia. Principalmente para o povo boliviano e para Evo Morales, uma pessoa boa que sempre trabalhou para os mais humildes. #EvoElMundoEstaContigo”, expressou ele em 2019 no Instagram após a queda do governo de Morales.

Na Argentina, este “soldado peronista” como se definiu, alinhou-se com a ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015) e com o atual presidente Alberto Fernández, cujo governo decretou três dias de luto nacional.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Carla Perez fala sobre vida nos EUA: “Aqui é vida normal”
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel