Falsas soluções

Segundo Albert Einstein, fazer a mesma coisa e esperar um resultado diferente é sinal de loucura. Muitos políticos latino-americanos devem ser loucos. Não faltam experiências com tabelamento de preços, mas alguma bem sucedida nunca foi vista. Ainda assim, nossos políticos continuam tentando.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O desastre mais recente aconteceu na Venezuela de Nicolás Maduro. O governo definiu um tabelamento de preços de produtos básicos. Há dois tipos de consequências quando se faz um tabelamento de preços. O primeiro, como foi o caso, quando o preço de tabelamento está abaixo do que seria o preço definido pelo equilíbrio entre a oferta e a procura pelo produto, ou seja, o preço definido pelo mercado. Se o preço está mais barato do que deveria, todo mundo quer comprar o produto, mas ninguém quer vendê-lo. Resultado?

O produto some do mercado, as prateleiras ficam vazias e quem não conseguiu comprar vai ficar sem o produto, como a falta de comida nos supermercados da Venezuela deixa claro. No Brasil, vivemos muitas vezes a mesma história em planos econômicos mal sucedidos na década de 1980 e a primeira metade dos anos 1990.

Ocorre a situação oposta quando os preços são tabelados acima do preço de mercado. É o que está acontecendo no Brasil com o tabelamento dos fretes. Quando o preço tabelado é mais alto do que deveria ser, o produtor ou prestador de serviço fica animado em vendê-lo, mas ninguém quer comprar o produto ou serviço e o produtor ou prestador de serviço fica com o produto ou serviço encalhado. Resultado? Mais uma vez, o tabelamento acaba prejudicando tanto quem quer vender quanto quem quer comprar. No Brasil, o tabelamento do frete foi feito com o objetivo de ajudar quem fazia o transporte, mas está deixando-os sem trabalho, a ponto de já surgirem fortes rumores de novas greves.

Em resumo, soluções mágicas dos nossos políticos populistas nunca funcionam. Com as eleições batendo à porta, mais do que nunca, é importante lembrar disso e não cair no canto das sereias políticas, que prometem benesses sem custos. O Brasil tem solução, mas a solução requer não apenas lisura e boas intenções, mas também seriedade e sacrifícios de todos nós. Como é mais fácil se eleger prometendo tudo do que dizendo a verdade sobre os sacrifícios necessários, os políticos latino-americanos insistem na loucura de pregar as mesmas falsas soluções eternamente mal sucedidas. Resta saber se os eleitores também sofrem da loucura de continuar votando em falsos salvadores da pátria e acabarem sempre arrependidos. Espero que não.

O Brasil tem solução, mas a solução requer não apenas lisura e boas intenções, mas também seriedade e sacrifícios de todos nós 

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

Ricardo Amorim

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.