Fake News: Provas apontam para milícias digitais, diz Alexandre de Moraes

Crédito: Zanone Fraissat/Folhapress

(Crédito: Zanone Fraissat/Folhapress)

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes participou de mais uma live da ISTOÉ. Confira abaixo trechos da conversa com a coluna.

O senhor acha que o presidente deve depor presencialmente no inquérito que investiga a interferência na PF?
Não será uma decisão monocrática minha. O plenário irá julgar se será presencial ou por escrito. Será a primeira vez na história do Supremo que o plenário decidirá sobre essa questão.

Os inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos estão para ser encerrados?
Espero que até o final de novembro possamos relatá-los e enviá-los à Procuradoria-Geral da República.

Qual é a sua conclusão sobre os fatos investigados?
As provas apontam para a existência de milícias digitais dedicadas a abalar as instituições democráticas. O Supremo já mostrou, porém, que não vamos nos acovardar em relação às ameaças recebidas.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.