Edição nº2544 21/09 Ver edições anteriores

Fake news do bem

Não tenho nenhum compromisso com a verdade.

Aqui na ISTOÉ me deixam escrever crônica, ficção ou não; posso inventar personagens e situações; posso eleger presidentes ou mudar o sistema político do País.

Por isso, considerando que nas últimas semanas tivemos uma infinidade de lamentáveis True News, decidi que a coluna dessa semana vai ser só de Fake News.

Mentiras que todo mundo vai gostar de ouvir e espalhar.

Não me deixe na mão. Escolha alguma e espalhe por aí, sem dó.

Reproduza no whatsapp, fotografe no Insta, compartilhe no Facebook.

Como diria Groucho Marx: vai criar a maior confusão, mas vai ser divertido.

Aí vão:

Banqueiros concedem a maior anistia da história

“Temendo que o candidato Ciro Gomes ganhe pontos com sua plataforma de tirar os brasileiros do SPC, os cinco maiores bancos se uniram e anteciparam o maior perdão de dívidas da história do nosso sistema financeiro.

– Adeus, Ciro! — ironizou uma fonte que não quis se identificar.

Os bancos decidiram abrir mão de 1% de seus lucros na semana para pagar todas as dívidas de todos os brasileiros em todos os tempos.

– E se ele ameaçar outra dessas bobagens, a gente joga dinheiro de helicóptero — concluiu o banqueiro, gargalhando.”

 

Marina não é um gnomo

“Uma lenda urbana caiu por terra essa semana: a ideia de que a candidata Marina Silva é um gnomo que desaparece entre as eleições.

Segundo um estudo realizado pela USP, a eterna candidata não desaparece, mas, sim, entra num estado de suspensão muito semelhante ao que acontece com os ursos quando hibernam no inverno.

– Entre uma eleição e outra, Marina Silva reduz seu metabolismo drasticamente e pode sobreviver sem nenhum debate, confronto ou voto. Quando uma nova eleição se aproxima, lentamente recupera sua capacidade de expor as mesmas ideias novamente. — informou o professor que liderou o estudo.”

Luzia está de volta ao Museu Nacional

“A direção do Museu Nacional confirmou hoje que Luzia, o mais antigo fóssil humano encontrado na América, com cerca de 12.500 anos, não foi destruído pelo incêndio.

Na verdade, o original tinha sido vendido por um ex-funcionário, para um colecionador japonês.

– Descobrimos que o fóssil que estava exposto era uma impressão 3D — revelou o diretor. Comovido com o incêndio, o milionário japonês — que pediu anonimato — enviou o fóssil de volta e, arrependido, prometeu doar a verba necessária para despoluir a Baía de Guanabara.”

Bolsonaro passa a defender o porte de livros escolares

“Numa mudança brusca em sua campanha, o candidato Jair Bolsonaro desistiu de defender o porte de armas.

– Eu estava brincando, gente. Sou um sujeito de paz!

Quando questionado sobre sua marca registrada, o gesto onde sugere dois revólveres com os dedos, Bolsonaro afirmou:
– Aquilo não é revólver! São dois “Ls”. Liberdade e Lucidez, minha plataforma!

Em pronunciamento após receber alta, Bolsonaro afirmou que a prioridade de seu governo serão projetos de Educação, Saneamento e Saúde.

Ele promete dizer quais são esses projetos.

Depois de eleito.”

Lula pede asilo político na Argentina

“Depois que o STF proibiu Lula de se candidatar a síndico do prédio, o petista informou que não quer mais morar no Brasil.

O ex-presidente pediu asilo político na Argentina.

O país irmão já aceitou, e Gilmar Mendes prontamente autorizou que Lula e seu marketeiro João Santana viagem ainda a tempo do petista concorrer com Macri às próximas eleições.

Junto com a comitiva do ex-presidente, estava Dunga que – pelo que apuramos – será o próximo técnico da seleção argentina.”

Tópicos

Mentor Neto

Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.