Tecnologia & Meio ambiente

Facebook luta contra campanhas de influência por encomenda

Facebook luta contra campanhas de influência por encomenda

Facebook diz que está atacando as campanhas enganosas on-line - AFP/Arquivos


O Facebook informou nesta quinta-feira (6) ter retirado nove campanhas enganosas on-line, já que empresas de marketing têm feito negócios com o uso de contas falsas para influenciar opiniões.

As campanhas se dirigiam a pessoas de Azerbaijão, República Centro-africana, México, Palestina, Peru e Ucrânia, segundo a gigante das redes sociais.

“Todas as organizações se dirigiam principal ou exclusivamente ao público de seus próprios países”, disse o chefe de política de segurança do Facebook, Nathaniel Gleicher, durante coletiva de imprensa.

“A Ucrânia é um exemplo interessante; é uma das principais fontes de atividade coordenada de comportamento inautêntico”, comentou.

O Facebook desmontou duas campanhas diferentes neste país que usavam contas falsas.

Uma delas foi descoberta a partir de uma investigação do FBI e estava vinculada a ucranianos sancionados pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos por outra campanha para influir nas eleições presidenciais, segundo Gleicher.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

“Enquanto alguém apontava às eleições nos Estados Unidos, esta campanha em separado estava funcionando na Ucrânia, promovendo conteúdo antirrusso”, disse o chefe da equipe de Inteligência sobre ameaças globais do Facebook, Ben Nimmo.

Segundo ele, as operações ucranianas promoveram posições de vários políticos e partidos, o que indica que foram obra de empresas de publicidade ou de marketing contratadas.

“Pensam nestas operações como possíveis mercenários da influência, alugando apoio”, disse Nimmo.

Enquanto o Facebook toma medidas contra as contas falsas, seus autores têm estado tentando a sorte nos serviços de mensagens instantâneas como WhatsApp e Telegram, disseram os executivos.

Segundo Gleicher, no último ano houve uma tendência constante de “atores de ameaças” que tentam chegar às pessoas diretamente nas plataformas de mensagens do Facebook e outras.

“Apesar desta mudança, continuam sendo pegos”, disse.

Um total de 1.656 contas do Facebook e 141 de Instagram foram eliminadas em abril por infringir as normas sobre comportamento inautêntico coordenado, segundo a empresa sediada na Califórnia.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Deputado dos EUA sugere mudar órbita da Lua para combater aquecimento
+ Ex-parceiro de Cristiano Araújo é encontrado morto
+ Policial militar mata a tiros quatro pessoas em pizzaria de Porto Alegre
+ Sérgio Mallandro diz que atrapalhou sexo de Xuxa com Ayrton Senna
+ Mano Brown se irrita com possível acerto do Santos com volante do Corinthians: ‘Tá tirando’
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago