Fábio Wajngarten, o censor da imprensa independente

Crédito: Edu Andrade

(Crédito: Edu Andrade)


O chefe da Secretaria de Comunicação da presidência (Secom), Fábio Wajngarten, continua dando seguimento à sua política fascista de censurar os veículos da imprensa independente.

Além de negar anúncios oficiais à mídia que critica as medidas de Bolsonaro, agora Wanjgarten exige que os donos das empresas anunciantes aliados ao governo não veiculem suas propagandas privadas na mídia livre.

O publicitário do governo esquece-se que controle absoluto da imprensa só acontece em ditaduras e o Brasil vive em um regime democrático.

A coluna apurou que apenas um grande anunciante cedeu às pressões antidemocráticas de Wajngarten. Nem no governo do PT isso aconteceu.

Fake news

E Wajngarten foi ainda mais longe esta semana. Publicou no Twitter que o governo pensa em rever a decisão do Banco do Brasil de deixar de anunciar no site O Jornal da Cidade Online, condenado pela Justiça a pagar uma indenização de R$ 150 mil a Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, por difundir fake news.

Veja também
+ Joice Hasselmann aparece com fraturas e diz acreditar ter sido vítima de ‘atentado’
+ Pintor é expulso de rodízio por comer 15 pratos de massa; assista
+ ‘Transo 15 vezes na semana’, diz Eduardo Costa ao revelar tratamento por vício em sexo
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.