Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

“Todas as tchecas tiveram covid” durante o último torneio de Roland Garros, afirmou nesta quarta-feira a ex-tenista francesa Tatiana Golovin, declaração que foi tachada pela Federação Tcheca de Tênis de “completamente absurda”.

O problema da covid voltou à pauta no tênis depois que o italiano Matteo Berrettini e o croata Marin Cilic, jogadores de alto nível, testaram positivo e tiveram que desistir da disputa do torneio de Wimbledon.

Segundo Tatiana, que agora é comentarista, “todas as tchecas tiveram covid e ninguém falou sobre isso”.

“Houve muitos casos, não falamos disso. Falamos agora porque aconteceu o caso de Berrettini. Houve casos em Roland Garros e ninguém falou”, insistiu.

A ex-número 12 do mundo, que encerrou sua carreira em 2009 devido a uma lesão, se reveria às declarações de ontem da também francesa Alizé Cornet em Wimbledon.

Cornet afirmou depois de sua vitória na primeira rodada do torneio londrino que “houve uma epidemia de Covid (em Roland Garros)”.

“Nos vestiários, todo mundo teve e não foi dito nada”, afirmou a tenista, que mais tarde se retratou nas redes sociais: “Disse que suspeitava de alguns casos de covid durante Roland Garros sem ter nenhuma prova. Fiz isso sobretudo para ressaltar que o vírus agora faz parte das nossas vidas e que é preciso conviver com ele”, explicou.

Segundo uma fonte próxima ao torneio parisiense consultada pela AFP, foram registrados três casos positivos durante a edição de 2022. O único que se tornou público foi o da tcheca Barbora Krejcikova.

Contactada pela AFP, a Federação tcheca rechaçou as afirmações de Tatiana Golovin.

“Sua declaração é tão absurda que nos custa acreditar que alguém possa tê-las feito. É completamente absurdo”, disse a porta-voz da federação Karel Tejkal.

frj-bur/jr/ll/adr/mcd/cb