Tecnologia & Meio ambiente

Ex-ministros pedem fim do desmatamento ao governo Bolsonaro

Ex-ministros pedem fim do desmatamento ao governo Bolsonaro

Foto de arquivo em que é possível ver o avanço do desmatamento na Amazônia, 23 de agosto de 2019 - AFP/Arquivos

Vários ex-ministros da Fazenda, entre eles o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, pediram nesta terça-feira (14) em uma carta conjunta ao governo federal que a recuperação da economia após a pandemia leve em consideração a preservação do meio ambiente.

“A recuperação da economia pós-COVID-19 oferece oportunidades importantes para promover a economia de baixo carbono e sustentável, em um momento em que o mundo atravessa importantes e rápidas transformações nos mercados de capital e de trabalho”, diz a carta, assinada por 17 ex-ministros da Fazenda e ex-presidentes do Banco Central do Brasil.

“Defendemos que critérios de redução das emissões e do estoque de gases de efeito estufa na atmosfera, e de resiliência aos impactos da mudança do clima sejam integrados à gestão da política econômica”, continua o documento.

A carta foi publicada a poucos dias da reunião por videoconferência do G20, agendada para o próximo sábado, organizada pela Arábia Saudita e na qual ministros da Fazenda e presidentes dos bancos centrais das economias mais desenvolvidas e industrializadas do mundo abordarão estratégias para retomar o crescimento após a pandemia.

A reunião do G20 acontece em meio aos augúrios pessimistas das organizações não-governamentais, que alertam que 2020 está no caminho de se tornar um dos anos mais destrutivos para a floresta Amazônica.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

No ano passado, as queimadas na floresta provocaram um alarme internacional e fortes críticas ao presidente Jair Bolsonaro, que nunca escondeu o apoio a atividades de mineração e de agropecuária em regiões ambientalmente protegidas.

De acordo com dados oficiais, o desmatamento da Amazônia brasileira registrou um recorde semestral de 3.070 km² entre janeiro e junho de 2020.

No final de junho, fundos de investimento da Europa, da Ásia e da América do Sul que administram coletivamente cerca de 4 trilhões de dólares pediram ao governo de Bolsonaro, também em carta aberta, que detenha projetos que ameaçam acelerar a destruição da Amazônia.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, que encabeça o Conselho Nacional da Amazônia, se reuniu virtualmente na última quinta-feira com representantes de nove destes fundos de investimento. Nesta sexta-feira, Mourão conversará com empresários igualmente preocupados com uma política ambiental que ameça manchar a imagem internacional do país.

Em reunião virtual da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o Brasil está comprometido com a defesa do meio ambiente e pediu ajuda para preservar a Amazônia, mas alertou que o país não renunciará de sua soberania sobre a floresta.

A Amazônia brasileira representa 60% do total da floresta compartilhada por nove países.

Veja também

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?