Geral

Ex-ministro de Evo Morales será candidato à presidência da Bolívia

Em uma coletiva de imprensa em Buenos Aires, aonde está asilado, Evo Morales anunciou os nomes dos candidatos a presidente e vice-presidente pelo seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS). Luis Arce, ex-ministro da Economia, e David Choquehuanca, ex-chanceler, compõem a chapa. As eleições na Bolívia estão marcadas para o dia 3 de maio.

No Twitter, Evo Morales afirmou que a dupla Luis Arce e David Choquehuanca é” uma combinação do conhecimento científico e do conhecimento originário milenar, a unidade do campo e da cidade, do corpo e da alma. Temos um projeto político de liberação que demonstrou que outra Bolívia é possível”.

Arce, ex-ministro da Economia, representa o “conhecimento científico”, e Choquehuanca, indígena aimará, o “conhecimento originário milenar”. Choquehuanca, que foi ministro das relações exteriores nos governos de Morales, entre 2006 e 2017, tem forte apoio das comunidades indígenas do altiplano boliviano.

A escolha dos nomes contraria decisão tomada na última sexta-feira (17) pelo Pacto de Unidade – uma aliança nacional que é a principal base de apoio de Morales – que havia definido o binômio David Choquehuanca e Andrónico Rodríguez como candidatos a presidente e vice.

Andrónico Rodríguez é um jovem líder cocaleiro, de 30 anos. Era considerado por alguns setores do MAS como o principal sucessor de Evo. O ex-presidente, no entanto, optou pela fórmula Arce- Choquehuanca.

+ Exclusivo: como Prost fez Senna perder o contrato com a Ferrari

Candidatos

Outros nomes também já foram confirmados como candidatos ao cargo. Entre eles, estão o principal opositor de Morales nas eleições de outubro do ano passado, Carlos Mesa, que é de centro-esquerda; o líder do movimento cívico de Santa Cruz de la Sierra, Luis Fernando Camacho, de direita; o pastor evangélico coreano-boliviano, Chi Hyun Chung, de extrema-direita; e o ex-presidente Jorge “Tuto” Quiroga, de direita.

Quiroga afirmou que a decisão dos nomes indicados pelo MAS foi “dedo” de Evo Morales. “Dedo do chefão. Evo impõe, de seu confortável asilo argentino, o gerente de 14 anos de desperdício e corrupção”, escreveu Quiroga em sua conta no twitter, referindo-se a Arce, que foi ministro da Economia dos governos de Evo.

Veja também

+ Marco Pigossi sobre reprise da novela Fina Estampa: “Tinha que ser proibida de ser reprisada”

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?