Notícia

Ex-ministras francesas publicam manifesto contra assédio sexual na política


Dezessete ex-ministras francesas de direita e esquerda, entre elas a atual diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, publicaram neste domingo um manifesto contra o assédio sexual na política.

“Acabou a impunidade. Denunciaremos sistematicamente todos os comentários sexistas, os gestos fora de lugar, os comportamentos inapropriados”, afirma o manifesto publicado no “Le Journal de Dimanche”.

“Estimulamos todas as vítimas de assédio sexual a denunciar os atos à justiça”, completa o texto.

Oito mulheres acusaram este mês de assédio e agressão sexual o deputado ecologista Denis Baupin, que se viu obrigado a renunciar ao cargo de vice-presidente da Câmara dos Deputados, apesar de negar as denúncias.

O escândalo ajudou a quebrar o silêncio sobre comportamentos machistas, inclusive criminosos, de políticos franceses.

Entre as signatárias estão ex-ministras de governos de centro-direita, como Lagarde, a atual presidente da região Ile-de-france (que inclui Paris) Valérie Pécresse, Roselyne Bachelot, Nathalie Kosciusko-Morizet e Corinne Lepage; ou de esquerda, como Cécile Duflot, Dominique Voynet, Elisabeth Guigou, Aurélie Filippetti e Fleur Pellerin.

DS/fp

Saiba mais
+ Homem acusado de matar a mãe e a tia é retirado de audiência por miar
+ Receita fácil de cupcakes para comemorar o Halloween
+ As 20 Picapes mais vendidas em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Sprinter vira motorhome completo; conheça o modelo
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio