Mundo

Ex-assessora de Trump grava afirmações racistas do presidente

Crédito: AFP/Arquivos

Omarosa Manigault, diretora de Comunicação do gabinete de Relações Públicas da Casa Branca, em 14 de fevereiro de 2017 (Crédito: AFP/Arquivos)

Omarosa Manigault Newman, ex-assessora do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirma ter gravado em segredo diversas conversas comprometedoras do magnata em que ele se mostra extremamente racista. As gravações serão divulgadas em seu livro “Unhingued” (“Desequilibrado”, em tradução livre do inglês), que será lançado na próxima semana. As informações são do The Guardian.

Segundo o jornal, que teve acesso a uma cópia adiantada da obra, a ex-assessora afirma em seu livro que Trump usava constantemente a palavra “nigger” durante as sessões de gravação de seu programa televisivo. O termo é considerado uma forma extremamente pejorativa e ofensiva para se referir aos negros nos Estados Unidos.

Ainda segundo o jornal britânico, Omarosa conta que o presidente se dirigiu de forma racista ao marido de sua também assessora Kellyanne Conway, que tem origem filipina. De acordo com ela, o presidente se referiu ao estrangeiro como “fodido, flip! desleal! fodido goo-goo!”

Omarosa conheceu Trump logo após participar do reality show que ele apresentava, The Apprentice (O Aprendiz), da emissora NBC, e se transformou em uma das pessoas de confiança do presidente, que não hesitou em colocá-la em sua equipe de governo. Ela tinha o cargo de diretora de Comunicações do Escritório de Relações Públicas da Casa Branca e em dezembro de 2017 pediu demissão por razões nunca esclarecidas.

 

Tópicos

EUA Omarosa Trump