Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

O presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou nesta quarta-feira, 13, no plenário, que a votação da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018 pode ser antecipada para esta quarta-feira, 13. “Se a gente conseguir limpar a pauta do Congresso, vamos tentar votar o Orçamento ainda na noite de hoje”, comunicou Oliveira aos deputados e senadores.

Como o relatório está em discussão na Comissão Mista de Orçamento (CMO), a tramitação teria que ser acelerada e o texto não seria nem sequer votado no colegiado. Desta forma, seria “puxado” diretamente para o plenário.

No início da semana, Oliveira atendeu a um pedido do presidente Michel Temer e transferiu a sessão do Congresso para votação da LOA para a próxima terça-feira, 19. Nesta quarta, no entanto, ele recuou e ameaçou os parlamentares dizendo que, caso o Orçamento não seja votado nesta data, ficaria para quinta-feira, 21.

O adiamento da votação da LOA havia sido planejado para tentar aumentar o quórum para a votação da reforma da Previdência, na próxima semana. Os governistas, porém, passaram avaliar que não conseguirão reunir os votos mínimos necessários (308) para aprovar a matéria até a semana que vem.

Na terça, durante jantar promovido por Oliveira, aliados do presidente Temer admitiram que a votação da reforma deve ficar para o próximo ano. O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) disse que a aprovação da proposta está crescendo, mas talvez não seja suficiente para realizar a deliberação até o final deste ano.

“A onda está crescendo, a gente só não sabe se vai ser tão grande quanto a gente precisa”, afirmou Padilha. “A gente está com a prancha em cima da cabeça prontos para surfar na onda, só falta a onda chegar”, brincou o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que assumirá o cargo de ministro da Secretaria de Governo nesta quinta-feira.

Marun disse que, se houvesse mais três semanas de atividades parlamentares neste ano, apostaria que a reforma seria aprovada, mas, com o prazo disponível, é difícil fazer previsões.

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), declarou que o clima está melhorando, mas que alguns parlamentes consideram que em 2018 pode estar “ainda melhor” e que o pleito deve ser adiado mais uma vez. “Nós vamos analisar”, comentou na terça.