Economia

EUA sanciona nove entidades chinesas acusadas de violar DH de minoria muçulmana

EUA sanciona nove entidades chinesas acusadas de violar DH de minoria muçulmana

O presidente dos EUA, Donald Trump, falou à imprensa em 22 de maio de 2020, na Brady Briefing Room da Casa Branca, em Washington, DC. Trump pediu aos governadores que permitam a reabertura dos locais de culto. - AFP

Os Estados Unidos sancionaram nove entidades chinesas acusadas de cumplicidade com violações dos direitos humanos da comunidade uigur, anunciou o Departamento de Comércio na sexta-feira.

Um instituto científico do Ministério da Segurança da China e oito empresas estavam em lista de Washington e lhes foram impostas “restrições de acesso à tecnologia americana”, informou o Departamento de Comércio em comunicado.

O texto lembra que os Estados Unidos já haviam incluído 28 organizações governamentais e comerciais chinesas nessa lista em outubro, acusando-os de estarem envolvidos na repressão do governo às minorias muçulmanas.

“Essas nove entidades são cúmplices em violações de direitos humanos e abusos cometidos durante a campanha de repressão, prisões arbitrárias em massa, trabalho forçado e vigilância de alta tecnologia contra uigures, cazaques e outros membros de grupos minoritários muçulmanos na região autônoma uigur Xinjiang”, diz o comunicado.

Os Estados Unidos, como inúmeras organizações humanitárias, acusa a China de ter enviado mais de um milhão de membros dessa minoria muçulmana para “campos de concentração” localizados região noroeste do país.

Pequim nega esse número e fala de centros de formação profissional projetados para ajudar a população a encontrar um emprego, longe da tentação do islamismo e do terrorismo.

As sanções americanas ocorrem em um momento de tensões diplomáticas com a China devido à nova pandemia de coronavírus.