Os Estados Unidos proibiram nesta quinta-feira (20) a empresa de cibersegurança Kaspersky, com sede na Rússia, de oferecer seus populares produtos antivírus no país, segundo anunciou o Departamento de Comércio.

“A Kaspersky não poderá mais, entre outras atividades, vender seu software dentro dos Estados Unidos nem fornecer atualizações de software que já estejam em uso”, disse a agência em um comunicado.

“A Rússia demonstrou repetidamente que tem a capacidade e a intenção de explorar empresas russas, como a Kaspersky Lab, para coletar e utilizar informações sensíveis como arma”, disse a secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, em um comunicado.

Estas medidas mostram aos adversários dos Estados Unidos que o Departamento de Comércio não hesitará em agir quando “sua tecnologia representar um risco para os Estados Unidos e seus cidadãos”, acrescentou.

Embora a empresa multinacional tenha sua sede em Moscou, conta com escritórios em 31 países e presta serviços a mais de 400 milhões de usuários e 270 mil clientes corporativos em mais de 200 países, segundo o Departamento de Comércio.

Além de proibir a venda do software antivírus da Kaspersky, o Departamento de Comércio também adicionou três entidades vinculadas à companhia a uma lista de empresas consideradas uma preocupação de segurança nacional, “por sua cooperação com as autoridades militares e de inteligência russas em apoio aos objetivos de ciberinteligência do governo russo”.

O Departamento de Comércio disse que “incentiva fortemente” os usuários a mudarem para novos fornecedores, embora sua decisão não proíba o uso do software se assim o decidirem.

A Kaspersky manteve a permissão de continuar certas operações nos Estados Unidos, incluindo a atualização de antivírus, até 29 de setembro deste ano, “para minimizar as interrupções aos consumidores e empresas americanas e dar-lhes tempo para encontrar alternativas adequadas”, acrescentou o Departamento de Comércio.

Posicionamento da Kaspersky

A Kaspersky está ciente da decisão do Departamento de Comércio dos Estados Unidos de proibir o uso do software Kaspersky no país. A decisão não afeta a capacidade da empresa de vender e promover produtos de inteligência contra ciberameaças e/ou treinamentos nos EUA.

Apesar de propor um sistema no qual a segurança dos produtos da empresa pode ser verificada de forma independente por empresas terceiras de confiança, a Kaspersky acredita que o Departamento de Comércio tomou sua decisão com base no atual cenário geopolítico e preocupações teóricas, em vez de uma avaliação técnica sobre a integridade dos produtos e serviços da Kaspersky. A Kaspersky não se envolve em atividades que ameacem a segurança nacional dos Estados Unidos e, na verdade, fez contribuições significativas com relatórios e proteção contra uma variedade de ameaças que visavam os interesses dos EUA e seus aliados. A empresa pretende buscar todas as opções legais disponíveis para preservar suas operações e relações atuais.

Por mais de 26 anos, a Kaspersky tem cumprido sua missão de construir um futuro mais seguro, protegendo mais de um bilhão de dispositivos. A Kaspersky fornece produtos e serviços líderes de mercado para clientes ao redor do mundo para protegê-los de todos os tipos de ciberameaças, demonstrando repetidamente sua independência frente a qualquer governo. Além disso, a Kaspersky implementou medidas de transparência inéditas entre seus pares da indústria de cibersegurança, com o objetivo de demonstrar seu forte comprometimento com a integridade e confiabilidade. A decisão do Departamento de Comércio ignora injustamente as evidências.

O principal impacto dessa medida é uma vantagem para o cibercrime. A cooperação internacional entre especialistas de cibersegurança é crucial na luta contra o malware e a decisão restringirá esses esforços. Além disso, tira a liberdade que, consumidores e organizações, grandes e pequenas, deveriam ter de usar a proteção que desejam. Neste caso, forçando-os a se afastar da melhor tecnologia antimalware do setor, de acordo com testes independentes. Isso causará uma interrupção dramática para os clientes da empresa, que serão forçados a substituir urgentemente a tecnologia que preferem e na qual confiaram para sua proteção por anos.

A Kaspersky continua comprometida em proteger o mundo das ciberameaças. O negócio da empresa permanece resiliente e forte, marcado por um crescimento de 11% nas vendas em 2023. Estamos ansiosos pelo que o futuro reserva e continuaremos a nos defender contra ações que buscam prejudicar injustamente nossa reputação e interesses comerciais.

 

da/md/mel/dga/am/ic