Agronegócio

EUA: Produtores de lácteos comemoram novo acordo comercial

Washington, 01 – Produtores de lácteos dos Estados Unidos comemoram o novo acordo comercial do país com Canadá e México. Na assinatura do Acordo Estados Unidos-Canadá-México (USMCA, na sigla em inglês), o governo canadense abriu mão do sistema de proteção à indústria de lácteos, que limitava as importações de determinados produtos dos EUA. O novo pacto prevê que produtos dos EUA poderão ter participação de até 3,6% do mercado de lácteos canadense.

“A eliminação do sistema de preços fixos do Canadá vai dar aos agricultores norte-americanos a oportunidade de competir em um ambiente livre e justo”, disse Brody Stapel, presidente da Cooperativa Edge Dairy Farmer, de Wisconsin.

Produtores do setor acreditam que possam aumentar lucros com esse incremento de mercado. “Isso deve tranquilizar os mercados e ajudar a estabilizar e fortalecer os preços”, disse Tom Vilsack, ex-secretário de Agricultura do país e atualmente CEO do Conselho de Exportação de Lácteos dos EUA.

No ano passado, o Canadá elevou as sobretaxas na categoria de leite ultrafiltrado, usado para fazer queijo e outros laticínios, restringindo as exportações dos EUA e se tornando o maior mercado estrangeiro na categoria. Produtores dos EUA dizem que o apoio governamental do Canadá também afetou os mercados globais com a oferta de leite em pó a preços baixos. A China, por exemplo, deixou de importar o insumo dos EUA. As exportações canadenses de leite em pó desnatado cresceram mais de sete vezes nos últimos três anos, de acordo com a empresa de serviços financeiros INTL FCStone Financial.

Autoridades canadenses dizem que os exportadores de lácteos do país não recebem ajuda desleal do governo. Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), o país exportou somente US$ 637 milhões em leite, queijo e outros laticínios para o Canadá em 2017. Produtores canadenses, por sua vez, dizem que as regras impedem a superprodução de lácteos no Canadá.

Autoridades do setor dizem que ainda há muitos detalhes desconhecidos sobre o acordo. “Levará um tempo para resolver os detalhes e ver o impacto das medidas para os exportadores dos EUA”, disse Mike McCully, presidente da consultoria McCully Group LLC. Fonte: Dow Jones Newswires