Tecnologia & Meio ambiente

EUA oferece ajuda à Rússia para conter desastre ecológico no Ártico

EUA oferece ajuda à Rússia para conter desastre ecológico no Ártico

Funcionário do ministério russo de Emergências trabalha num local de vazamento de diesel em um rio nos arredores de Norilsk, no Ártico russo, em 6 de junho de 2020 - AFP

Os Estados Unidos ofereceram ajuda a Moscou neste sábado (6) depois de um vazamento de 20.000 toneladas de combustível em um rio do Ártico russo.

“Apesar das nossas desavenças, os Estados Unidos estão prontos para ajudar a Rússia a deter esse desastre ambiental e dar nossa experiência técnica”, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, em uma postagem em sua conta no Twitter.

Um tanque de diesel de uma térmica pertencente à gigante da mineração Norilsk Nickel colapsou em 29 de maio perto da cidade ártica de Norilsk, causando um vazamento de 15.000 toneladas de combustível no rio Ambarnaia e 6.000 toneladas na terra circundante.

O acidente é o pior desastre ecológico do tipo na região e os danos são visíveis do espaço.

Os socorristas russos trabalhavam arduamente para tentar limitar o dano, em um contexto complicado pelas dificuldades de acesso, a pouca profundidade do rio que impede as operações embarcadas e o terreno pantanoso que se produz na primavera.

Na sexta, uma semana depois do dia da tragédia, as autoridades russas disseram que finalmente tinham contido a expansão do vazamento.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Fotos íntimas de apresentadora italiana são vazadas em aplicativos de mensagens no Brasil
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior