Economia

EUA, México e Canadá estão perto de acordo sobre USMCA

EUA, México e Canadá estão perto de acordo sobre USMCA

Presidente Donald Trump, em mesa-redonda sobre educação, em 9 de dezembro de 2019 - AFP

Estados Unidos, México e Canadá concordaram em adotar mudanças sobre a implementação do novo tratado comercial norte-americano (USMCA, na sigla em inglês), o que pode permitir a aprovação total do acordo firmado no ano passado para substituir o Nafta – informou a Fox Business nesta segunda-feira (9).

“Pode-se alcançar um acordo definitivo nas próximas 24 horas, abrindo caminho para a ratificação por parte dos três países”, disse a emissora, citando várias fontes que não foram identificadas.

Negociado a pedido do presidente americano, Donald Trump, o USMCA foi selado em novembro de 2018 pelos três países.

Até agora foi confirmado apenas pelo Senado mexicano em junho passado. O Canadá disse que ratificará o texto logo depois dos Estados Unidos.

Em Washington, a Casa Branca e a oposição democrata, que controla a Câmara de Representantes, estão “perto de um acordo de princípio”, relatou a emissora de televisão CNBC, acrescentando que a votação no Congresso americano para dar sinal verde ao USMCA pode ser em 18 de dezembro.

“Continuamos considerando a proposta. Não há acordo para anunciar até o momento”, disse um assessor democrata à AFP.

Os democratas bloquearam a ratificação em meio a questionamentos dos sindicatos, que exigiram maiores garantias do cumprimento das novas leis trabalhistas mexicanas para evitar a concorrência desleal com os trabalhadores americanos.

Conforme a Fox Business, os mexicanos concordaram que a implementação do acordo seja supervisionada por “uma parte neutra”.

Nesta segunda-feira, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, pediu à presidente da Câmara de Representantes dos EUA, a líder democrata Nancy Pelosi, que submeta o USMCA à votação.

“Já é hora de tomar a decisão, porque, caso contrário, a decisão vai chegar perto dos processos eleitorais”, disse AMLO, em sua habitual entrevista coletiva matinal, em alusão à eleição presidencial de 2020 nos EUA.

Se for aprovado pela Câmara de Representantes, o trâmite deve seguir com agilidade no Senado, onde o Partido Republicano tem maioria.