Tecnologia & Meio ambiente

EUA lança ensaio clínico de anticorpos sintéticos contra a COVID-19

EUA lança ensaio clínico de anticorpos sintéticos contra a COVID-19

Imagem sem data, obtida em 28 de julho de 2020, como cortesia do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIH / NIAID) dos Estados Unidos, mostra uma micrografia eletrônica colorida de uma célula (em azul) com uma forte infecção por partículas do vírus SARS-CoV-2 (em vermelho), que foram isoladas de uma amostra de paciente - Instituto Nacional de Alergia y Enfermedades Infecciosas/AFP/Arquivos

Os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH) anunciaram nesta terça-feira (4) o início de ensaios clínicos em grande escala para testar um medicamento especificamente produzido para tratar a COVID-19.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

É um anticorpo contra o coronavírus, chamado LY-CoV555, descoberto pela empresa canadense AbCellera Biologics no sangue de um paciente que se recuperou da doença.

O anticorpo foi sintetizado para produção em escala industrial pelo American Lilly Research Laboratories, em associação com a AbCellera.

O estudo de fase III (a última) começará recrutando 300 voluntários em todo o mundo, de pacientes hospitalizados que tiveram sintomas leves a moderados de COVID-19 por menos de 13 dias.

Metade receberá o medicamento (por injeção) e a outra metade um placebo para descobrir a real eficácia do tratamento.

Todos também serão tratados com protocolos usuais contra a COVID-19.

Outra parte do ensaio clínico testará anticorpos sintéticos em pacientes ambulatoriais.

Anticorpos são proteínas que o sistema imunológico implementa para acoplar-se a vírus invasores e, assim, impedir que eles entrem nas células do corpo humano.

As vacinas buscam desencadear, em pacientes não infectados pelo coronavírus, a produção de anticorpos pelo sistema imunológico de forma preventiva, de acordo com vários métodos que estão sendo testados em todo o mundo.

Para pessoas que já estão doentes, dois medicamentos foram aprovados até agora, o remdesivir e dexametasona.

Outra opção de tratamento que está sendo avaliada é a injeção de anticorpos retirados de pessoas que já se recuperaram, conhecido como plasma convalescente.

No entanto, essa opção, embora eficaz, não permite uma aplicação em grande escala, o que explica o desenvolvimento de anticorpos sintéticos, também chamados anticorpos monoclonais.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea