Comportamento

EUA investigará gigantes da internet por possível viés ideológico

EUA investigará gigantes da internet por possível viés ideológico

O chefe do Twitter, Jack Dorsey (D), e a número dois do Facebook, Sheryl Sandberg (E), durante audiência na Comissão de Inteligência do Senado dos EUA. - AFP

O governo dos Estados Unidos investigará as suspeitas de posição dominante e de viés ideológico dos gigantes das redes sociais, anunciou nesta quarta-feira o Departamento de Justiça.

Uma declaração do Departamento de Justiça indicou que o procurador-geral Jeff Sessions “convocou uma reunião com vários procuradores gerais este mês para discutir a crescente preocupação de que essas companhias possam estar prejudicando a concorrência e sufocando intencionalmente o livre intercâmbio de ideias em suas plataformas”.

Este anúncio acontece dias depois de o presidente Donald Trump ter acusado as grandes empresas de tecnologia de censurar e reprimir as vozes conservadoras em favor das opiniões progressistas, alegações que as empresas negam.

Uma breve declaração do Departamento, feita ao fim de uma audiência no Senado com altos executivos das redes sociais Facebook e Twitter, não deu pistas sobre se os funcionários consideravam uma investigação antimonopólio ou alguma forma de ação reguladora.

Analistas da indústria tecnológica dizem que há pouca evidência de que as empresas de internet estejam filtrando conteúdo por razões políticas, mas que as companhias teriam proteções constitucionais contra qualquer esforço governamental para regular seus algoritmos.

Na terça-feira, o presidente da agência reguladora Federal Communications, Ajit Pai, pediu às empresas do Vale do Silício que sejam mais transparentes em suas operações, o que aumenta as chances de regulações mais estritas para as empresas do âmbito tecnológico.

“Temos que pensar seriamente se chegou o momento de essas empresas cumprirem as novas obrigações de transparência”, disse Pai em uma publicação de um blog.

-“Pouco preparado”-

O Twitter estava “pouco preparado e mal equipado” para as imensas campanhas de manipulação que afetaram as redes sociais nos últimos anos, reconheceu na quarta-feira seu presidente-executivo, Jack Dorsey, em uma declaração a legisladores dos Estados Unidos.

Dorsey compareceu ao Comitê de Inteligência do Senado sobre as acusações de ingerência estrangeira nas campanhas eleitorais pelas redes sociais e afirmou que a plataforma foi pensada para ser uma espécie de “praça pública”, mas que não foi capaz de gerir os “abusos, o assédio, os exércitos de ‘trolls’, a propaganda dos ‘bots’ (contas automáticas)”.

“Não estamos orgulhosos de como o intercâmbio livre e aberto foi manipulado e utilizado para distrair e dividir as pessoas e a nossa nação”, afirmou aos senadores.

“O Twitter não utiliza ideologia política na forma como toma as decisões, seja em relação à classificação do conteúdo de nosso serviço ou de como aplicamos nossas normas”, indicou Dorsey.

“Aprendemos com 2016 (…) para saber como ajudar a proteger a integridade de nossas eleições”, disse Dorsey em referência às últimas eleições presidenciais americanas.

Dorsey assegurou que as respostas levarão a mudanças estruturais sobre a forma como o Twitter e toda a indústria opera, embora “as mudanças requeridas não sejam rápidas nem fáceis”, advertiu.

A chefe de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, por sua vez, repetiu as desculpas do Facebook por não adotar medidas enérgicas contra as campanhas de influência provenientes da Rússia que interferiam nas eleições presidenciais americanas de 2016.

“Fomos muito lentos para detectar isso e muito lentos para atuar”, disse Sandberg ao painel.

O Google foi convidado a assistir à audiência do Senado, mas se negou a enviar seu diretor-executivo, Sundar Pichai, ou Larry Page, o diretor de sua empresa matriz, Alphabet.

– Repercussões –

Daniel Castro, da Fundação de Tecnologia da Informação e Inovação, disse que o propósito da declaração do Departamento de Justiça não é claro, e sim preocupante.

“As plataformas de mídias sociais têm o direito de determinar que tipo de discurso legal permitirão em suas plataformas”, disse Castro à AFP.

“O governo federal não deveria utilizar a ameaça da aplicação da lei para limitar as empresas a exercer este direito”.

Eric Goldman, do High-Tech Law Institute da Universidade de Santa Clara, disse que seria problemático usar a lei antimonopólio como forma de regular o discurso.

“Esta (declaração) me faz pensar que o antimonopólio não é o objetivo real, que o verdadeiro objetivo é a censura”, disse.

“Esta poderia ser uma ação ampla do governo para tratar de subverter a Primeira Emenda”, disse Matt Schruers, da Computer and Communications Industry Association, grupo comercial que inclui o Google e o Facebook.