Mundo

EUA denunciam ‘escalada’ da Rússia no Mar Negro

EUA denunciam ‘escalada’ da Rússia no Mar Negro

(Arquivo) O porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price - POOL/AFP/Arquivos


O Departamento de Estado americano classificou nesta segunda-feira de “escalada sem provocação” a decisão russa de limitar a navegação de embarcações militares e oficiais estrangeiras em três zonas do Mar Negro, o que poderia ter impacto no acesso aos portos ucranianos.

A imprensa estatal russa reportou sobre a decisão, que poderia afetar o acesso aos portos ucranianos através do Mar de Azov, que se conecta ao Mar Negro pelo Estreito de Kerch, na ponta oriental da pensínsula da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

“Isso representa outra escalada sem provocação na campanha de Moscou para desestabilizar a Ucrânia”, criticou o porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price. “Esse fato é particularmente preocupante em meio às informações confiáveis de um aumento das tropas russas na Crimeia ocupada e em torno das fronteiras da Ucrânia em níveis não vistos desde a invasão russa em 2014.”

Moscou mobilizou dezenas de milhares de soldados ao longo das fronteiras setentrional e oriental da Ucrânia, bem como na Crimeia, o que levou a críticas da União Europeia, Otan e dos Estados Unidos.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS