Tecnologia & Meio ambiente

EUA comemoram ‘consenso internacional crescente’ em torno da Huawei

EUA comemoram ‘consenso internacional crescente’ em torno da Huawei

Em um clima de tensão crescente com a China, Trump pressionou os aliados a proibirem o uso de tecnologia da Huawei em suas redes de telecomunicações - AFP/Arquivos


A Casa Branca comemorou nesta terça-feira o que chamou de “consenso internacional crescente” em torno da gigante chinesa das telecomunicações Huawei, após a decisão do Reino Unido de eliminar por etapas todos os equipamentos da fabricante de sua rede 5G.

“A decisão do Reino Unido reflete o consenso internacional crescente em relação ao fato de que a Huawei e outros representam uma ameaça à segurança nacional, porque permanecem em dívida com o Partido Comunista Chinês”, tuitou o assessor de Segurança Nacional do presidente Donald Trump, Robert O’Brien.

A decisão britânica, uma vitória para o presidente Trump, foi tomada após meses de pressão exercida por Washington, e apesar das advertências de Pequim sobre possíveis represálias.

“Esperamos com interesse trabalhar com o Reino Unido, bem como muitos outros parceiros e aliados, para estimular a inovação, promover a diversidade de provedores na rede de abastecimento das tecnologias 5G e garantir a segurança do 5G livre de manipulações perigosas”, assinalou O’Brien.

Em um clima de tensão crescente com a China, Trump pressionou os aliados a proibirem o uso de tecnologia da Huawei em suas redes de telecomunicações, alegando que o mesmo representa uma ameaça à segurança nacional. O premier britânico, Boris Johnson, ignorou inicialmente o pedido da Casa Branca e permitiu que a empresa chinesa instalasse uma nova rede de alta velocidade no Reino Unido em janeiro.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



O governo britânico justificou a mudança de postura citando a “incerteza” causada por sanções à Huawei anunciadas em maio por Washington. O presidente Donald Trump acusa o grupo tecnológico chinês de ser um espião de Pequim, o que a empresa nega, e está determinado a impedir o seu acesso aos semicondutores fabricados com componentes americanos.

Para o governo britânico, o uso de materiais de substituição pela Huawei pode representar riscos de segurança que não haviam sido considerados até então.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS