Tecnologia & Meio ambiente

EUA comemoram ‘consenso internacional crescente’ em torno da Huawei

EUA comemoram ‘consenso internacional crescente’ em torno da Huawei

Em um clima de tensão crescente com a China, Trump pressionou os aliados a proibirem o uso de tecnologia da Huawei em suas redes de telecomunicações - AFP/Arquivos

A Casa Branca comemorou nesta terça-feira o que chamou de “consenso internacional crescente” em torno da gigante chinesa das telecomunicações Huawei, após a decisão do Reino Unido de eliminar por etapas todos os equipamentos da fabricante de sua rede 5G.

“A decisão do Reino Unido reflete o consenso internacional crescente em relação ao fato de que a Huawei e outros representam uma ameaça à segurança nacional, porque permanecem em dívida com o Partido Comunista Chinês”, tuitou o assessor de Segurança Nacional do presidente Donald Trump, Robert O’Brien.

A decisão britânica, uma vitória para o presidente Trump, foi tomada após meses de pressão exercida por Washington, e apesar das advertências de Pequim sobre possíveis represálias.

“Esperamos com interesse trabalhar com o Reino Unido, bem como muitos outros parceiros e aliados, para estimular a inovação, promover a diversidade de provedores na rede de abastecimento das tecnologias 5G e garantir a segurança do 5G livre de manipulações perigosas”, assinalou O’Brien.

Em um clima de tensão crescente com a China, Trump pressionou os aliados a proibirem o uso de tecnologia da Huawei em suas redes de telecomunicações, alegando que o mesmo representa uma ameaça à segurança nacional. O premier britânico, Boris Johnson, ignorou inicialmente o pedido da Casa Branca e permitiu que a empresa chinesa instalasse uma nova rede de alta velocidade no Reino Unido em janeiro.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

O governo britânico justificou a mudança de postura citando a “incerteza” causada por sanções à Huawei anunciadas em maio por Washington. O presidente Donald Trump acusa o grupo tecnológico chinês de ser um espião de Pequim, o que a empresa nega, e está determinado a impedir o seu acesso aos semicondutores fabricados com componentes americanos.

Para o governo britânico, o uso de materiais de substituição pela Huawei pode representar riscos de segurança que não haviam sido considerados até então.

Veja também

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?