Tecnologia & Meio ambiente

EUA aprovam uso de remédio da Regeneron em tratamento da Covid

NOVA YORK, 23 NOV (ANSA) – A Agência de Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) autorizou o uso em caráter emergencial do coquetel de anticorpos REGEN-COV2, criado pela empresa Regeneron, para o tratamento da Covid-19.   

O medicamento é o mesmo que foi utilizado pelo presidente do país, Donald Trump, durante sua internação em outubro. Esse é o segundo remédio do tipo aprovado nos Estados Unidos, sendo que no dia 9 de novembro, a autorização foi dada para o laboratório Ely Lilly.   

O coquetel combina dois anticorpos sintéticos monoclonais que, dentro do organismo, se dirigem a alvos específicos para atacar.   

No caso da Covid-19, o medicamento atinge a proteína Spyke, que o Sars-CoV-2 usa para “grudar” nas células humanas para permitir a reprodução.   

A FDA afirma que a droga reduz as internações em hospitais e os casos de emergência provocados pelo coronavírus Sars-CoV-2. O presidente da Regeneron, Leonard Schleifer, afirmou que o coquetel é uma “terapia promissora” e atua principalmente nas “etapas iniciais” do desenvolvimento nos sintomas. (ANSA).   


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Modelo e atriz italiana paga promessa e posta foto ‘só de máscara’ após vitória da Lazio
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel