Entrevista

“Eu sofri por muito tempo calado”, diz Leo Dias sobre dependência química

Reprodução/ Blog Só Por Hoje

“Eu sofri por muito tempo calado”, diz Leo Dias sobre dependência química

Conhecido por revolucionar o jornalismo de celebridades com os seus furos exclusivos e irreverência (sua marca registrada), o jornalista e colunista Leo Dias, de 44 anos, lançou em janeiro deste ano o blog “Só Por Hoje”. Na plataforma, ele compõe um diário que mostra o dia a dia de um dependente químico em recuperação.

Leonardo Antônio Lima Dias, seu nome de batismo, que é um adicto assumido, criou o blog com o objetivo de ajudar pessoas que enfrentam o mesmo problema. Nos posts, ele fala de forma direta sobre as suas experiências e lutas pessoais. Em entrevista à IstoÉ Gente, Leo falou sobre a missão de criar o diário virtual, carreira e projetos futuros.

“Eu criei esse blog para as pessoas terem com quem falar sobre o assunto. Eu sofri por muito tempo calado, não tinha com quem falar. Minha família é muito conservadora. Eu fui a maior decepção na vida do meu pai, quando eu falei para ele que era dependente químico. E o discurso lá em casa era o mais irritante possível: ‘Mas você é tão inteligente, bonito, não precisa usar droga’. Eu balançava a cabeça concordando com aquela asneira. Precisava conversar com gente que não me olhasse com olhar de pena ou assustado. Precisava de alguém que falasse minha língua. Por isso, o blog tá aí. Para uma troca, com gente que passa pelo que eu passo, para elas terem a certeza de que não estão sozinhas”, conta Leo.

O comunicador acredita que o projeto pessoal, além de ajudar pessoas adictas, pode também ajudar a si mesmo. “Falar exorciza demônios. Isso é 100% eficaz. Dá um trabalho enorme viver de mentiras, viver numa tensão absurda, prestes a ser descoberto. Eu me surpreendi muito com os comentários, como as pessoas receberam bem. Daqui a pouco eu acho que vou abrir o blog para textos de outras pessoas, para ele ser um mural de trocas. Um Narcóticos Anônimos virtual.”

Sempre muito polêmico e autêntico por falar o que pensa, Leo conta que não pensou no que as pessoas iriam falar dele com a criação do diário virtual. “Se eu for me preocupar com o que pensam sobre mim, eu não levantaria da cama. Depois do advento da internet, todos têm opinião sobre tudo. Eu aprendi a não ler o que me faz mal. Estou longe de ser uma unanimidade, mas eu sou verdadeiro. E isso basta pra mim”, disse o jornalista.

Com uma coluna no UOL, outra no Diário de S. Paulo, um programa de rádio na Metrópoles (de Brasília) e diretor executivo do programa “TV Fama”, da RedeTV!, ele confessa que é uma loucura ser colaborador de tantas empresas e que chegou a recusar novas oportunidades de trabalho para não cair a qualidade de seus conteúdos.

“Tenho recusado novos trabalhos porque eu sei que, fazendo muita coisa, a qualidade acaba caindo. E eu me exijo demais. Quis ser a coluna mais lida do UOL. E consegui. Na RedeTV!, sei que não vou ser líder de audiência, mas eu quero fazer algo novo, quero mudar a história da emissora. E acho que consegui um pouquinho dirigindo o novo Carnaval.”

A passagem de Leo Dias no Fofocalizando foi um verdadeiro furacão e deu o que falar. Durante o tempo em que esteve na atração, ele causou, chorou, brigou e revelou em rede nacional o seu vício nas drogas. Algo que, na época, comoveu muita gente, inclusive no meio artístico. Após revelar algo tão íntimo e pessoal, o jornalista de celebridades recebeu o apoio de famosas como Xuxa Meneghel, Fernanda Souza e Anitta, entre outras personalidades.

Questionado sobre a sua passagem pela emissora de Silvio Santos, Leo fez uma análise do que o programa precisa: da sua loucura. “O Fofocalizando precisa de um louco. Alguém que toque fogo, provoque, questione, faça pensar. Que um dia, nem apareça. Mas que, no outro, traga a história do ano. Que fale mascando chiclete, como se estivesse em casa. Que seja odiado por muitos, porque o ódio é fiel, mais que o amor. O Fofocalizando ficou óbvio, previsível. E isso é uma pena. Mesmo. Torço pelo sucesso do programa”, desabafou ele.

Ainda estamos no primeiro trimestre de 2020, e Leo Dias falou sobre algumas novidades para este ano. “Uma das minhas maiores qualidades é o poder que eu tenho de me reinventar. Eu só aceitei ir para a RedeTV! porque era algo novo. Você algum dia imaginou eu dirigindo algo? Só o louco do Amilcare. Ele diz que eu pareço o Renato Russo. Eu vejo isso como uma honra. Um cara que fez o imprevisível. Então, além da RedeTV!, eu terei um novo desafio. Eu quero crescer na cobertura das celebridades. O mercado recuou nos últimos anos, mas isso que eu vou fazer vai aquecer novamente o mercado de imprensa de celebridades.”

Há anos no mercado da comunicação e tendo uma vasta experiência nos bastidores da TV, rádio, jornal, revista e direção, ao ser indagado se teria um programa só de dele em alguma emissora, Leo acredita que um dia isso será possível.

“Acho que isso vai acontecer um dia, mas ainda é cedo. Acho sinceramente que a TV está carente de caras novas. Não que seja eu essa cara. Vou sugerir ao Amilcare algumas pessoas que eu testei no Carnaval e que acho que se encaixariam perfeitamente na RedeTV!. Os apresentadores da emissora são todos iguais, a diversidade é necessária. Acho que faltam pretos, nordestinos e gordos lá. Só tem branco com sotaque paulista. O Brasil não se vê na RedeTV!”, concluiu Léo Dias.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior

X

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.