Coronavírus

Estudo diz que restaurantes e academias são lugares com maior chance de transmissão da Covid-19

Crédito: National Institute of Allergy and Infectious Diseases/AFP/Arquivos

Micrografia eletrônica de uma célula d com partículas de Covid-19 (em amarelo), isoladas de uma amostra de um paciente (Crédito: National Institute of Allergy and Infectious Diseases/AFP/Arquivos)

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Stanford, na Califórnia (EUA), comprovaram que restaurante e academias são os lugares com maior risco para contaminação da Covid-19. O resultado foi publicado na revista científica Nature nesta terça-feira (10). As informações são do G1.

A pesquisa criou um modelo baseado na movimentação de pessoas em 10 cidades dos EUA, utilizando dados dos celulares das pessoas, e foi feito em um momento onde havia menos uso da máscara.

Confira os dez lugares com maior risco de infecção, segundo a pesquisa:

  1. Restaurantes de “serviço completo” (onde as pessoas são servidas por alguém)
  2. Academias
  3. Cafés e bares
  4. Hotéis e motéis
  5. Restaurantes de “serviço limitado” (onde as podem levar a própria comida)
  6. Centros religiosos
  7. Consultórios médicos
  8. Mercados
  9. Lojas de mercadorias usadas
  10. Pet shops

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Modelo e atriz italiana paga promessa e posta foto ‘só de máscara’ após vitória da Lazio
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel