Saúde da mulher

Estudo conclui que pílula anticoncepcional pode causar depressão

Estudo descobriu uma ligação entre a pílula anticoncepcional e o uso de antidepressivos. Saiba mais sobre a pesquisa e os efeitos do remédio na saúde

Crédito: Pixabay

A pílula anticoncepcional pode ser ótima: previne a gravidez e ajuda a amenizar os sintomas da TPM, por exemplo. Mas um estudo indica que possa haver uma ligação entre métodos de contracepção hormonal – como a pílula – e a depressão.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

De acordo com a pesquisa, que foi publicada no Journal of the American Medical Association Psychiatry, a utilização da contracepção hormonal – especialmente entre adolescentes – foi associada ao subsequente uso de antidepressivos.

O estudo observou mais de um milhão de mulheres dos 15 aos 34 anos que usavam algum tipo de contraceptivo e acompanharam sua saúde por 13 anos. No geral, eles descobriram que as mulheres que usavam métodos contraceptivos hormonais (como a pílula, o DIU hormonal, os anéis vaginais e os adesivos) tinham maior tendência a usarem antidepressivos e ter o diagnóstico de depressão no fim do estudo do que as que optaram por opções não-hormonais (camisinhas, diafragma e DIU de cobre).

Leia mais

É possível ficar grávida mesmo tomando pílula anticoncepcional?
Quer parar de tomar pílula? Então aposte neste passo a passo

Então, você deve ficar preocupada? Bem, é importante reparar que essa relação é apenas uma correlação – ela não significa que a pílula ou outras formas de contraceptivos hormonais causam depressão. Mas considerando a quantidade de mulheres envolvidas no estudo, isso é algo que os médicos devem prestar atenção, diz Niket Sonpal, professor na Touro College of Medicine, em Nova York, nos EUA.

Ainda assim, isso não necessariamente significa que é hora de enterrar seu método de contracepção. “A primeira coisa a se fazer é ter uma conversa muito franca com o seu médico para ter certeza de que ele está ciente dessa relação”, diz. “Se você está tomando pílula, deve procurar por sinais como mudanças no humor e sintomas de depressão, além de alterações no sono e falta de energia e apetite.”

Além disso, se você tem um histórico de depressão ou ansiedade (pessoal ou na família), seu ginecologista precisa estar ciente. Se já tem um risco elevado de depressão, existem outras opções além das contracepções hormonais. “Esse diálogo com o médico deve ser franco, especialmente se você começou a tomar a pílula agora”, diz Sonpal.

Sempre que começar um novo método contraceptivo, deve marcar uma consulta com um ginecologista dentro de algumas semanas para ter certeza de que seu corpo está respondendo bem. “Se você começar a perceber sintomas de depressão, deve ver seu médico e discutir as suas opções”, diz ele.

Conclusão: Mais do que tudo, esses resultados salientam a necessidade de comunicação entre você e seu ginecologista. Certifique-se de que está checando regularmente sua saúde física e mental.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea