Brasil

Estudo: 55% dos tuítes pró-Bolsonaro sobre atos do dia 15 e coronavírus foram de robôs

Crédito: Reprodução YouTube

O Twitter é um dos principais meios utilizados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para se comunicar com a população. Um estudo feito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fesp-SP) mostrou a porcentagem das publicações na rede social feitas por robôs utilizando a hashtag BolsonaroDay.

O estudo coordenado pelas professoras Rose Marie Santini, da UFRJ, Isabela Kalil, da Fesp, e mais 12 pesquisadores mostrou que mais da metade dos posts, cerca de 1,2 milhão, foi feita por robôs, contas automatizadas, como de ciborgues, e contas semiautomatizadas, conforme apuração do jornal O Globo.


O período utilizado no estudo partiu do dia 1º de janeiro até 15 de março deste ano. Foram identificadas pela equipe de pesquisa 22 mil hashtags e rankeadas em uma lista das mais usadas. De acordo com a análise, ao todo são 66 mil contas que publicaram aproximadamente 1,2 milhão de tuítes.

Ainda de acordo com o jornal, os robôs que usaram a hashtag #bolsonaroday postaram cerca de 700 tuítes no domingo em que ocorreu os atos pró-governo. Os perfis mais ativos chegaram a publicar uma média 1,2 mil tuítes por dia. O estudo contatou ainda que os usuários reais têm uma média de três a dez tuítes por dia. Os mais ativos chegam a até 50 tuítes por dia.

Entre os tuítes foram identificados quatro padrões: o Supremo Tribunal Federal (STF) como alvo; manifestações do último dia 15 de março; oposição ao isolamento social, restrições utilizadas para conter o coronavírus e por último a mobilização para as pessoas irem às ruas, mesmo com o crescimento da Covid-19.

O grupo concluiu que parte das hashtags citadas no intervalo pesquisado – como#somostodosbolsonaro, #stfvergonhanacional, #foramaia, #globolixo, #bolsonaro2022, #somostodosmoro, #bolsonaropresidenteate2026, #bolsonaro2026 – possui uma assiduidade nas redes.

Com isso, segundo o estudo, há indícios de uma atuação coordenada na comunicação e alinhadas com a agenda política de Bolsonaro.