Geral

DF: Estudante picado por naja mantinha outras cobras maltratadas

Crédito: Reprodução/ TV Globo

As 17 cobras apreendidas em um haras, em Planaltina, no Distrito Federal, após um estudante de veterinária ser picado por uma naja “estão magros e desidratados”. Segundo o Zoológico de Brasília, o instituto ficará responsável pelas serpentes encontradas na última quinta-feira (9). As informações são do Fantástico, da TV Globo.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações apontam que Pedro Henrique Santos Krambeck Lehm, de 22 anos, é o proprietário dos animais. As autoridades afirmam que, depois de Pedro ter sido picado, Gabriel Ribeiro, amigo do jovem, abandonou a naja ao lado de um shopping e escondeu outras dezessete serpentes.

“Abrimos uma investigação formal em relação a essa situação e podemos então identificar que não se tratava apenas de uma cobra, mas de possivelmente uma rede estruturada de tráfico de animais. A gente apura se, além de adquirir, eles vendiam, se o intuito era de comercializar esses animais”, explicou o delegado William Andrade Ricardo ao Fantástico.

A polícia investiga ainda se Pedro, Gabriel e outros colegas compravam e vendiam as cobras em redes sociais. Segundo a reportagem, Pedro já está fora de perigo. Ele não teve sequelas graves, e deve ter alta nos próximos dias e ser ouvido pela polícia.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Honda apresenta a Rebel CMX1100 para bater de frente com a Harley-Davidson
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel