Cultura

Estreia o polêmico ‘O Nascimento de uma Nação’


Pode parecer mera coincidência, mas, numa escala cósmica, essas coisas devem estar todas relacionadas. E começou, recentemente, na Mostra, que trouxe o extraordinário Pitanga, de Beto Brant e Camila Pitanga – o filme brasileiro do ano, talvez da década -, homenageou o ator Antônio Pitanga e colocou o cineasta Jeferson De no júri. Cereja do bolo dessa exaltação à negritude, exibiu o polêmico O Nascimento de Uma Nação, de Nate Parker, e ainda promoveu, a título de encerramento, o debate A Voz do Negro no Cinema.

O Nascimento de Uma Nação estreia nesta quinta, 10, e a data também abriga a abertura da Mostra África(s) – Cinema e Revolução, que celebra o cinema criado no contexto de independência e revolução dos países africanos, no Caixa Belas Artes. E tudo isso ocorre em novembro, mês da Consciência Negra, que no Brasil toma por origem a mítica figura de Zumbi dos Palmares. Para completar, na sexta, 11, serão 185 anos do enforcamento de Nat Turner, o escravo que liderou a sangrenta rebelião de escravos retratada no longa de Nate Parker, que também é o intérprete do papel.

‘Ol’ prophet Nat’, é como Nat Turner é celebrado no folclore afro-americano. Como um profeta da consciência negra – para o discurso de supremacia branca, ele foi apenas o escravo que liderou uma revolta para satisfazer seu instinto de matar. É assim que a história oficial (branca) eterniza os eventos de 1831 no Condado de Southampton, na Virginia. Lideranças negras, artistas, historiadores queixam-se de que Nat Turner só sobrevive a muito custo no imaginário, porque foi feito todo um esforço para eliminá-lo da história. Em 1967, um livro, escrito por um branco (William Styron) e inspirado nos relatos do próprio Nat no breve período em que esteve preso, antes da execução, ganhou o Pulitzer de literatura – As Confissões de Nat Turner. Quase imediatamente, os direitos foram adquiridos por Norman Jewison, que tentou, sem êxito, fazer a adaptação, mesmo sendo um cineasta de sucesso e com outros filmes sobre a questão racial no currículo (No Calor da Noite, que ganhou o Oscar, A História de Um Soldado).

As barricadas em Detroit e os ecos das lutas por direitos ainda eram muito recentes para que Hollywood ainda quisesse mexer no vespeiro da figura de Nat, o ‘velho profeta’. Nate Parker agora compra a briga. Seu filme está longe de ser uma unanimidade. Mas só o fato de liberar a voz do negro já o torna, no mínimo, necessário.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também
+ Modelo Suzy Cortez vai ao treino da Argentina dar água de seu banho a Messi
+ Policial militar mata a tiros quatro pessoas em pizzaria de Porto Alegre
+ Mãe de Eliza Samudio diz que Bruno não paga pensão e que filho do goleiro se sente culpado pelo crime
+ Deputado dos EUA sugere mudar órbita da Lua para combater aquecimento
+ Mano Brown se irrita com possível acerto do Santos com volante do Corinthians: ‘Tá tirando’
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago