Brasil

Esteticista diz que apenas agendou aplicação após morte de brasileira: ‘Cada um manda no seu corpo’

Crédito: Reprodução Instagram

Estudante brasileira Sheiza Ayala (Crédito: Reprodução Instagram)

Claudia Raquel Echeguren Chavez foi denunciada por homicídio culposo após a morte da brasileira Sheiza Ayala, de 22 anos, em um procedimento estético realizado em uma clínica na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero.

A estudante passou por aplicação de hidrogel na clínica e morreu de embolia pulmonar, hemorragia e parada cardíaca em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul na última quinta-feira (24).

O Ministério Público do Paraguai já instaurou um inquérito para apurar o caso, conforme apuração da revista Época.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

Após a profissional se apresentar para prestar esclarecimentos, o juiz que analisa o caso decidiu substituir o pedido de prisão contra Cláudia por pagamento de fiança. Com isso, a esteticista vai responder em liberdade.

Em seu depoimento, Raquel aponta uma eventual médica, Danilda Victoria Ruíz Dias Suarez, como a responsável pelo procedimento.

“Ela (Danilda) é muito conhecida aqui em Pedro Juan, mas fui eu quem dei a cara. Eu não tenho nada a ver com isso aí e agora querem achar um culpado”, disse Claudia a ÉPOCA, em entrevista por telefone, concedida antes da ação da promotoria do Paraguai.

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

Apesar do relato da esteticista, conversar pelo Whatsapp entre ela e a estudante brasileira revelam outra versão. Claudia chega a dizer que “eu sou a responsável. Sou obstetra e especialista em estética”.

Nos diálogos, a profissional teve contato direto com Sheiza após seu quadro de saúde ir se agravando aos poucos. Cláudia chega a receitar “café bem forte e Coca-Cola” para amenizar a falta de ar, febre e aceleração dos batimentos cardíacos. Além disso, a jovem contou que tinha dificuldades para ficar em pé.

“Esse foi o meu erro. Eu dei meu nome por ter feito o agendamento. A outra [Danilda] não queria dar o número porque as meninas (pacientes) ficavam enchendo o saco”, disse ela.

“Cada um manda no seu corpo, cada um faz o que quer do seu corpo. Eu agendo e pronto. Ninguém vai fazer nada obrigado”, disse Claudia, ao justificar sua participação no processo.

A esteticista alegou ainda que a jovem tinha hepatite e Covid-19 e, por isso, ficou em estado crítico.

“Claro que você vai morrer se você tem hepatite e coronavírus. As defesas da pessoa caem e claro que vai se sentir mal. A grande culpa é dela (Sheiza). Ela quis colocar, quis ficar bonita e não falou a verdade. E agora querem culpar a doutora”, afirmou.

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Conheça a nova Honda MSX 125 GROM

+ Novo Xiaomi Mi Box 4S por R$ 240

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar