Edição nº2585 11/07 Ver edições anteriores

Criador do Android, Andy Rubin apresenta o Essential Phone

O Essential Phone tem uma tela que ocupa praticamente toda a parte frontal do aparelho, como o LG G6 e o Galaxy S8. O acabamento do smartphone é feito com titânio e cerâmica.

Essential Phone, o novo smartphone de Andy Rubin
Essential Phone, o novo smartphone de Andy Rubin (Crédito:Divulgação/Essential)

O nome Andy Rubin está longe de ser tão conhecido como Steve Jobs. Mas a importância de Rubin para o mercado de smartphones é inquestionável. Ele é considerado o “pai” do sistema Android, do Google, o mais usado no mundo e presente em celulares de Samsung, LG, Lenovo, Sony e Motorola, entre outros fabricantes. Nesta semana, ele apresentou o Essential Phone, seu primeiro projeto de smartphone após deixar o Google.

Rubin fundou a Android Inc. em 2003 e, após a venda da empresa para o Google em 2005, passou a chefiar a área de software para smartphones da empresa. Após deixar o Google em 2014, Rubin passou a atuar como investidor em empresas de tecnologia e, no ano de 2015, criou a Essential.

O Essential Phone

Demonstrado ao público pela primeira vez nesta semana, o Essential Phone tem uma tela que ocupa praticamente toda a parte frontal do aparelho, como o LG G6 e o Galaxy S8. O acabamento do smartphone é feito com titânio e cerâmica. O aparelho tem especificações de ponta, como 4GB de RAM e 128 GB de armazenamento. O sistema (é claro!) é o Android.

Inicialmente, o aparelho será vendido apenas nos Estados Unidos por US$ 699. O Essential Phone começará a ser distribuído em julho para quem fizer a compra pelo site. Quer saber mais sobre o aparelho? Confira o site da Essential.

 


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.