Esquerda abutre

Mesmo para os baixíssimos padrões da extrema esquerda, a reação orquestrada após a morte da vereadora do PSOL no Rio de Janeiro foi um espetáculo indigesto. Onde deveria haver respeito pela vida humana perdida, luto e indignação pelo caos da violência generalizada, houve apenas cálculo eleitoral e interesse ideológico. Os socialistas mal conseguiram esconder a alegria: sambaram em cima do cadáver de Marielle Franco, acreditando na mudança do cenário político.

Veja também

+ Estudo de DNA revela novos segredos dos Manuscritos do Mar Morto
+ Aves mudam comportamento durante quarentena na Nova Zelândia
+ SUV cupê? Conheça a verdadeira “origem” do VW Nivus e outros modelos
+ Veja como é a esteira de R$ 44 mil que o governo pretende comprar
+ Assista: dois grandes tubarões rondam surfistas e piloto de drone evacua line up
+ VW Nivus: confira a galeria completa de fotos
+ Cadillac Escalade ESV de Tom Brady está à venda

Os mesmos que alegam que Lula foi condenado em segunda instância sem provas, apesar de toda evidência existente, já tinham o culpado do crime um segundo após ele ocorrer: a banda podre da polícia. Quem precisa de investigação quando se tem a ideologia? Durante o velório, sobrou para a intervenção federal no Rio de Janeiro e até para o presidente, com gritos de “Fora Temer”. A esquerda radical não brinca em serviço quando o poder está em jogo.

Ajudei a disseminar no país a expressão “esquerda caviar”, que retrata aquela elite culpada que adora o socialismo revolucionário do conforto de suas mansões. A mesma turma, diga-se, que elegeu Marielle, supostamente representante da favela da Maré, mas que foi colocada na Câmara Municipal por outra maré: aquela vermelha que se espalha pelo Leblon e idolatra Freixo e o PSOL.

A expressão, porém, não dá mais conta do recado. O nível baixou tanto que apodreceu o caviar. Agora é esquerda abutre, bicho asqueroso que vive da carniça dos outros. A campanha de santificação da vereadora morta, uma mártir da causa, foi simplesmente absurda. Todos os “formadores de opinião”, com apoio de artistas e “intelectuais”, passaram imediatamente a enaltecer não aspectos individuais dela, como caráter ou bondade, mas sua ideologia e seus atributos “identitários”, como a cor da pele, a bissexualidade e a origem humilde.

No fundo, a narrativa foi construída com um só intuito, que nada tem a ver com louvar a pessoa Marielle: fortalecer o socialismo. Devemos chorar mais por sua morte porque ela era do PSOL, eis a mensagem. E ninguém na mídia lembrou que seu partido é o mesmo que defende oficialmente a ditadura venezuelana. Há direitos humanos por lá?

A imprensa falou muito das “Fake News” nas redes sociais, dos toscos supostamente da direita que espalharam mentiras sobre a vereadora. É, de fato, abjeta a falta de respeito para com a morta. Mas e o processo de canonização dela só por ser socialista: isso também não merece ser condenado?

Numa guerra, a primeira baixa é sempre a verdade. Infelizmente, há quem veja a política como uma eterna guerra, onde o adversário deve ser aniquilado. A esquerda certamente age assim. E não se sente melindrada se tiver que pisotear o corpo da própria companheira para avançar algumas casas no tabuleiro da política.

A campanha de santificação da vereadora morta, uma mártir da causa, foi simplesmente absurda


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.