Mundo

Esposa de sueco que será executado no Irã pede ajuda à UE

Crédito: Amnesty International/AFP

Foto da ONG Anistia Internacional de 19 de maio de 2022 do sueco-iraniano Ahmadreza Djalali (Crédito: Amnesty International/AFP)

A esposa do universitário de nacionalidade iraniana e sueca Ahmedreza Djalali, acusado de espionagem e ameaçado de execução no Irã, pediu neste sábado (21) ajuda à União Europeia (UE) para a libertação de seu marido, durante uma entrevista à emissora pública alemã ZDF.



+ Criador das naves de ‘Star Wars’ morre aos 90 anos
+ Farmacêutica bomba nas redes sociais com receitas rápidas e fáceis
+ Os signos que são almas gêmeas separadas ao nascer
+ Os signos mais mentirosos do zodíaco

“Espero que a UE possa agir realmente de forma decisiva para trazer Ahmedreza para casa”, disse, em trechos da entrevista transmitida pela ZDF.

A UE não deve “permitir que um homem inocente seja assassinado de forma tão desumana”, acrescentou.

Segundo a mídia iraniana, ele poderia ser enforcado no sábado e os funcionários iranianos disseram que executariam a sentença.

Mas, segundo sua esposa, Vida Mehrannia, a execução não ocorreu.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu na terça-feira a Teerã que detivesse a execução e exigiu a revogação de sua condenação.

Ahmadreza Djalali, que estava radicado em Estocolmo, onde trabalhava no Instituto Médico Karolinska, foi detido durante uma visita ao Irã em 2016.

Ele foi condenado à morte em 2017 por acusações de espionagem, negados pela Suécia e seus partidários.

Em fevereiro de 2018, durante sua detenção, a Suécia lhe deu a nacionalidade.