Edição nº2590 16/08 Ver edições anteriores

Espelho, espelho meu

Narciso acha feio o que não é espelho. Por isso, faz troça do perímetro cefálico dos nordestinos, entende que gerar uma menina é para os fracos, insiste na pilhéria surrada, anacrônica e desrespeitosa ao se referir a homossexuais e considera normal agir como um réprobo no arremesso à honra de uma pessoa que perdeu o pai — de maneira cruel – ainda bebê. Narciso é tão narciso mas tão narciso que ombreia-se ao mais narcisista dos personagens de desenho animado, quando resolve confrontar quem o critica, não com pouca razão, por dever de ofício.

Psicanalistas renomados recorrem ao conceito de “narcisismo das pequenas diferenças”, de Sigmund Freud, para entendê-lo. Segundo Freud, a agressividade é uma espécie de expressão narcísica do ego. Quem, no dia a dia, a desencoraja é a civilização, sob a forma da lei. Aqueles que fazem um hábito da agressão despudorada e sem freios agem, em geral, com o beneplácito de grandes grupos, que recorrem a pequenas diferenças em relação ao outro para justificar o flerte com a selvageria e a bestialidade.

Devido à autoestima na estratosfera, narcisos possuem dificuldades de reconhecer falhas e, assim, não buscam maneiras de melhorar. Não reconhecem limites pessoais. Anseiam validação constante e digerem extremamente mal as críticas. Não raro, se comportam como crianças de quatro anos: tudo gira em torno deles. Pior para os que por eles são governados.

O Narciso da vez não é, obviamente, filho único da nossa República. O exato oposto, conhecido pelas piadas com os naturais de Pelotas (RS), chegou a comparar-se a Jesus Cristo. Recentemente, deixou de ser “humano” para virar uma “ideia”. A sucessora nem se fala: era conhecida no Planalto pela agressividade narcísica com que tratava seus subordinados. Analistas também costumavam discorrer sobre a exigência egoica de ser admirado do “príncipe dos sociólogos”. Em livro de memórias, sacou o Eclesiastes: ‘vanitas vanitatum et omnia vanitas’ (vaidade das vaidades e tudo é vaidade).

Para o nosso azar, um alto grau de narcisismo é bastante usual entre os líderes políticos. Pode ser considerada uma moléstia ocupacional, especialmente para os que devem o seu poder às influências sobre grandes massas. “Ele precisa de sucesso e aplausos para satisfação do seu próprio equilíbrio mental. A ideia de grandeza e infalibilidade é baseada em sua grandiosidade narcisista e não nas realizações efetivas como ser humano”, diz Erich Fromm, um psicanalista freudiano não ortodoxo.

Na mitologia grega, o jovem Narciso viu seu reflexo na água e passou tanto tempo enamorado dele que se isolou do resto do mundo. Finalmente, afogou-se tentando abraçar a própria imagem. Esse é (sempre) o perigo.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.