Saúde da mulher

Esfoliação reduz a celulite e potencializa o bronzeado; saiba como fazer

Crédito: Freepik

A pele de todo o corpo merece cuidados especiais e, quando o assunto é esse, a esfoliação ganha destaque entre as principais etapas de skincare. Essa parte da rotina é fundamental para todos os tipos de peles saudáveis, pois garante a luminosidade, maciez e viço, conforme destaca Claudia Coral, farmacêutica especialista em ativos e vice-presidente da Galena.

+ Como a maneira de remover a maquiagem pode estar envelhecendo você

+ Amigo secreto: dermatologista indica os melhores produtos de skincare para presentear

A esfoliação proporciona renovação da pele, retirando a hiperqueratinização e oferecendo maciez. O procedimento pode ser realizado em casa ou em consultórios dermatológicos e estéticos, a partir de qualquer idade desde a adolescência. Segundo Fernanda Chauvin, farmacêutica bioquímica especialista em dermatocosmética e CEO da Ellementti Dermocosméticos, a frequência deve ser determinada conforme o tipo de pele, sendo de uma a duas vezes na semana.

Benefícios

Essa prática oferece diversos benefícios conforme a área esfoliada. “Quando feita no corpo, uniformiza sua tonalidade, estimula a circulação sanguínea, o que melhora a celulite, e auxilia na eliminação de toxinas e impurezas”, diz Fernanda.

Durante o verão, esse processo — que deve ser realizado cerca de três dias antes da exposição solar — pode ser uma boa opção para garantir um bronzeado mais uniforme e duradouro. Para essa época do ano, a especialista recomenda evitar ativos fotossensíveis e esfoliações químicas, porque são mais agressivas.

O inverno também não dispensa essa etapa do skincare, que deve ser limitada a uma vez por semana e requer atenção redobrada com a hidratação pós-procedimento, visto que a pele tende a ficar mais ressecada nessa estação. 

Quando feita antes da depilação, a esfoliação pode potencializar o resultado de retirada de pelos e evitar o encravamento e a foliculite. Pós-depilação, o processo também ajuda a reduzir o encravamento, mas deve ser realizado suavemente, pois a área tende a ficar mais sensível.

Até o couro cabeludo merece esse cuidado semanal, principalmente em casos de seborreia. Fernanda indica escolher um shampoo esfoliante, que terá uma ação própria para a pele delicada da região e para o contato com os cabelos. Vale apostar em opções que contenham ingredientes como carvão de bambu e chlorella, que além de ajudarem na esfoliação, são detoxificantes.

“Também é interessante esfoliarmos as áreas mais ressecadas, como calcanhares, cotovelos e queratoses — ‘bolinhas’ semelhantes a acne, que deixam a pele áspera — que ficam na lateral dos braços, no bumbum e nas pernas”, recomenda Claudia. 

Como fazer e quais produtos usar

Para conquistar os benefícios da esfoliação, é preciso realizar o procedimento com cuidado e delicadeza para não agredir a pele e prejudicar a integridade cutânea. Essa etapa pode ser química (feita através de compostos, como ácidos para a pele) ou física (realizada de forma mecânica, a partir do atrito das esferas do produto utilizado). 

“Existem muitos produtos cosméticos industrializados e manipulados que fazem uma esfoliação mecânica sobre a pele, através do atrito de esferas que pode ser de origem natural, como sementes de frutas, ou sintéticas. Esse tipo de esfoliante atinge uma camada da pele bastante superficial, gerando benefícios de curta duração, enquanto os esfoliantes que interagem quimicamente agem mais profundamente na epiderme, sendo mais eficazes e duradouros”, explica a vice-presidente da Galena.

Segundo Claudia, a esfoliação mecânica pode ser feita de uma a duas vezes na semana. Já a química pode ser realizada diariamente — geralmente prescrita em formulações personalizadas por dermatologistas, a fim de atender as necessidades de cada pele. 

Com o verão chegando, Fernanda recomenda utilizar esfoliantes com ação detoxificante. “Por exemplo, extrato de gengibre, de ação termogênica e desintoxicante, extrato de cavalinha, com efeito anti-inflamatório e antioxidante, que melhora a firmeza e auxilia na redução de medidas. Também é uma boa opção escolher um esfoliante que contenha ativos hidratantes e anti-irritantes, como manteiga de karité”. 

Nas redes sociais não faltam indicações de receitas caseiras esfoliantes. Antes de tentar seguir as dicas das influenciadoras digitais, a CEO da Ellementti Dermocosméticos aconselha se atentar aos ingredientes. Segundo ela, o ideal é utilizar produtos dermatologicamente testados e adequados para a área que será esfoliada — rosto, corpo ou lábios —, dessa forma são reduzidas as possibilidades de alergias e danos à saúde cutânea. No entanto, se ainda assim quiser uma alternativa caseira, ela receita a mistura de óleo de coco com açúcar mascavo.

A hidratação é uma etapa fundamental após a esfoliação. Nesse momento também é preciso escolher o ingrediente adequado, preferencialmente de ação antioxidante, anti-irritante e anti-inflamatória, como a aveia coloidal e a Aurafirm -N. 

Atenção!

“A esfoliação é sempre indicada para peles espessas e queratinizadas, e não é recomendada para peles muito finas ou com alguma condição que afine sua espessura, como em caso de pessoas idosas ou diabéticas”, alerta Fernanda.

A escolha do tipo de esfoliante também merece atenção ao tipo de pele. Claudia pondera que o método mecânico não deve ser utilizado em peles sensíveis ou sensibilizadas, como em alguns casos de acne e rosácea, por exemplo, porque pode promover ainda mais irritação cutânea e favorecer escoriações e inflamações. 

Os esfoliantes químicos, que beneficiam a estética e saúde da pele, devem ter seu uso avaliado e orientado por um profissional habilitado. “A restrição do uso dos esfoliantes químicos está associada a condições da pele, a intensidade de ação e predisposição a alergias. Muitas vezes são utilizados em peles sensibilizadas, como a acneica, por exemplo. Um dos ativos mais utilizados em formulação é o verochic, originado do anis estrelado, que promove a  renovação celular sem causar irritabilidade”, informa a farmacêutica especialista em ativos.

Embora o procedimento seja benéfico para quem faz depilação com lâmina, creme ou cera, não é recomendado para as adeptas ao método a laser, entre os três dias anteriores e os três dias posteriores à depilação. “É para evitar a sensibilização e inflamação da pele da região. Quem faz depilação a laser pode esfoliar nos demais períodos, para desobstruir os poros e eliminar as células mortas”, destaca Fernanda.

Pedras, esponjas e escovas não devem ser utilizadas como métodos esfoliantes, visto que não são opções seguras e qualificadas, pois podem ser agressivas para a pele, favorecendo microfissuras e, consequentemente, a irritação da cútis.