Tecnologia & Meio ambiente

Esculturas de Bolsonaro e Trump derretem durante cúpula da biodiversidade da ONU

Esculturas de Bolsonaro e Trump derretem durante cúpula da biodiversidade da ONU

A ativista do Greenpeace Kate Flynn levanta um cartaz enquanto esculturas de gelo dos presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro derretem em 30 de setembro em Nova York, em frente ao prédio da ONU, durante a cúpula da ONU sobre biodiversidade - AFP

Esculturas de gelo dos presidentes dos Estados Unidos e do Brasil derreteram nesta quarta-feira(30) em Nova York durante a cúpula da biodiversidade da Organização das Nações Unidas, em um protesto convocado pelo Greenpeace para denunciar suas políticas contra a defesa do meio ambiente.

A ONG garante que tanto o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, quanto o americano, Donald Trump, têm “planos deliberados para destruir ativamente a natureza”.

“Líderes da extinção: destruindo um planeta em crise”, dizia a grande faixa da ativista Kate Flynn, enquanto ao lado dela a estátua de Bolsonaro derreteu rapidamente ao sol em um píer em frente ao prédio das Nações Unidas e o de Trump estava no chão, já quebrado.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

“O Brasil e os Estados Unidos são dois dos países com maior biodiversidade do mundo, mas em tempos em que o gelo ártico está desaparecendo, estes dois países estão em chamas e há uma perda de biodiversidade sem precedentes que seus presidentes ignoram”, disse à AFP Arlo Hemphill, ativista para os oceanos do Greenpeace US.

A ONG lamentou que os Estados Unidos não tenham um palestrante na cúpula da biodiversidade da ONU, que está sendo realizada virtualmente após a pandemia.

“Trump e Bolsonaro são as faces da extinção porque têm agendas radicais que estão destruindo a natureza, levando ao colapso da biodiversidade e agravando a emergência climática”, disse Hemphill.

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

O Greenpeace observou que Trump, que abandonou o Acordo Climático de Paris, removeu as proteções da lei de espécies em preservação e minou a lei de proteção ambiental.

Também lembrou que os Estados Unidos são um dos quatro únicos países-membros da ONU que não fazem parte da Convenção sobre Diversidade Biológica.

A organização denunciou ainda o aumento do desmatamento no Brasil desde a chegada ao poder de Bolsonaro, defensor da mineração e agricultura em áreas protegidas e terras indígenas. E destacou que os incêndios que devastam a Amazônia e o Pantanal são os piores em uma década.

O Greenpeace recordou que em seu recente discurso na Assembleia Geral da ONU, Bolsonaro “negou que o Brasil estivesse em chamas e culpou as comunidades indígenas e tradicionais pelos incêndios”.

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela
+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou
+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês
+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Educar é mais importante do que colecionar
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea