Comportamento

Escola de candidatos

Organização apoiada por empresários forma primeira turma de postulantes a cargos eletivos

Crédito: Gabriel Reis

FORMADA Alessandra Monteiro fez o curso e irá concorrer ao legislativo (Crédito: Gabriel Reis)

Política também se aprende na escola. É isso que quer provar a ONG RenovaBR com sua primeira turma de 133 alunos, formada por quem planeja entrar para a vida pública e disputar eleições, seja agora ou no futuro. A proposta do curso é tornar o aspirante a político apto a participar de uma disputa eleitoral em apenas seis meses. O método é de ensino à distância, complementado por atividades presenciais e palestras. O conteúdo se baseia no desenvolvimento de lideranças e seus idealizadores deixam claro quais os valores que esperam encontrar nos alunos: “honestidade, diálogo, compromisso e vontade de servir”, diz Izabella Mattar, fundadora do RenovaBR ao lado do empresário Eduardo Mufarej.

A ONG é financiada por empresários. Entre os apoiadores estariam nomes famosos como Abilio Diniz, Luciano Huck, Armínio Fraga e Nizan Guanaes. Quem é selecionado passa a receber uma bolsa de estudos que vai de R$ 5 mil a R$ 12 mil por mês. “O candidato pode ser de esquerda ou de direita, mas precisa ser democrático, ficha limpa e ter um certo padrão de conduta”, diz Izabella.

A administradora de empresas Alessandra Monteiro, 32 anos, é uma das alunas que estará nas próximas eleições, como candidata a deputada estadual por São Paulo pelo partido Rede Sustentabilidade. O programa engloba de táticas de marketing ao conhecimento da legislação. Segundo Alessandra, o processo já teve impacto. “Uma das maiores mudanças é a construção das minhas narrativas. Como eu organizo uma causa como uma política pública”, afirma.
Conjuntura
Cláudio Gastal, 49 anos, resolveu aprofundar seus conhecimentos sobre vida política mas ainda não sentiu que é hora de lançar uma candidatura própria. “Não vamos conseguir mudar um processo de 500 anos em um ano. Eu quero estar mais envolvido na política, o momento é que vai depender de conjunturas”, diz ele.