Comportamento

Escócia inicia uma volta às aulas delicada

Escócia inicia uma volta às aulas delicada

Frascos de álcool em gel para as mãos em uma mesa da escola West Calder High School durante uma visita da primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon - Pool/AFP

“Nervosos” ou “felizes”, os alunos escoceses retomaram o caminho da escola nesta terça-feira (11) após cinco meses, iniciando uma delicada volta às aulas no Reino Unido, em meio a um ressurgimento da epidemia de coronavírus.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Confinadas em bloco em março, as regiões do Reino Unido, onde o vírus deixou o maior custo humano da Europa com 46.000 mortes, organizam uma retomada das aulas em ordem dispersa.

“Estou um pouco nervosa”, confessou à agência britânica PA Isla Findlay, de 16 anos, com seu retorno ao instituto de Kelso (sudeste da Escócia). “Estou feliz por voltar a ver meus amigos, mas como vão administrar tudo isso? Assusta um pouco”.

Todos os alunos deverão voltar às escolas em uma semana e não terão a obrigação de usar máscaras ou de respeitar a distância física, o que preocupa os professores.

Segundo uma pesquisa realizada na semana passada pelo sindicato de professores escoceses EIS, apenas 18% dos 24.000 professores entrevistados estava convencido de que retomar as aulas não era perigoso.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, disse na segunda-feira que é “compreensível” uma certa “ansiedade por parte das crianças, pais e professores”, mas garantiu que a reabertura das escolas é “essencial” para a educação e “o bem-estar” dos alunos.

A Escócia registrou cerca de 19.000 casos e 2.500 mortes até o momento. Na quarta-feira passada, a aparição de um foco em Aberdeen provocou o fechamento de pubs e restaurantes e a retomada das limitações de circulação. Apesar de tudo isso, os alunos desta cidade devem voltar às aulas nesta semana.

– Pesquisadores “insatisfeitos” –

Na vizinha Inglaterra, onde o governo de Boris Johnson tem competência direta em educação, o número de casos também está aumentando e as restrições foram retomadas em algumas áreas.

A preocupação também cresce à medida em que se aproxima a data de voltar ao colégio, 1o de setembro.

Para controlar a epidemia, alguns especialistas se perguntam se reabrir as escolas não exige o fechamento de outros locais muito frequentados, como os pubs.

Boris Johnson prometeu que os centros escolares seriam “os últimos” a fechar em caso de um reconfinamento local, depois de afirmar em um jornal no domingo que o retorno em setembro é “uma prioridade nacional”.

Essa decisão é motivada por um estudo das autoridades de saúde inglesas, segundo o qual haveria “muito poucas evidências de que o vírus é transmitido nas escolas”.

No entanto, o jornal The Times afirmou, nesta terça-feira, que este estudo, que ainda deve ser publicado, mostrava também que os adolescentes transmitem o vírus tanto quanto os adultos. No artigo, os pesquisadores explicam sua “insatisfação” com “a forma como os ministros utilizaram os resultados, que ainda não foram totalmente analisados”.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea