Cultura

Entre glamour e política começa a competição no Festival de Cannes

Entre glamour e política começa a competição no Festival de Cannes

O diretor russo Kirill Serebrennikov (centro) e o elenco de "Tchaïkovski’s Wife", em Cannes em 18 de maio de 2022 - AFP

O Festival de Cannes iniciou a corrida pela Palma de Ouro nesta quarta-feira (18) com o filme “Tchaikovsky’s Wife”, do cineasta russo Kirill Serebrennikov, crítico a seu governo, e com Tom Cruise que garante o glamour ao tapete vermelho, com seu novo “Top Gun”.

O filme do cineasta russo, sobre a tumultuada relação entre o famoso compositor e sua esposa Antonina Miliukova, é um dos 21 longas em disputa neste ano.


“Toda obra de arte, atualmente, tem um conteúdo político (…) Nossa declaração é sobre arte, liberdade e também fragilidade da natureza humana, de cada vida”, disse Serebrennikov, de 52 anos.

A arte “é estritamente contra a guerra”, acrescentou o cineasta, conhecido por se posicionar a favor da comunidade LGBTQ+.

Sua presença era muito esperada, já que em outras edições, nas quais disputou com “Petrov’s Flu” (2021) e “Leto” (2018), não pôde comparecer porque cumpria pena por desvio de fundos, em um caso denunciado por seus defensores como uma manobra política.

Serebrennikov, filho de uma ucraniana, relatou recentemente à AFP seu “horror, tristeza, vergonha e dor” diante da invasão russa da Ucrânia.

Os organizadores do concurso se posicionaram desde o início da ofensiva russa, no final de fevereiro, e anunciaram que não receberiam “representantes oficiais russos, instâncias governamentais ou jornalistas da linha oficial”.

A participação por videoconferência do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na cerimônia de abertura na terça-feira confirmou o tom político desta edição.

– “Um novo Chaplin” –

“Precisamos de um novo (Charlie) Chaplin que demonstre que o cinema não está mudo”, disse Zelensky a um auditório de estrelas.

O festival incluiu em sua programação vários diretores ucranianos, como o veterano Serguei Loznitsa e o diretor Maksim Nakonechnyi. Também apresenta o filme “Mariupolis 2”, do lituano Mantas Kvedaravicius, morto em abril nesta cidade ucraniana.

O presidente do júri, o ator francês Vincent Lindon, declarou na terça-feira que espera que o clima “seja digno, respeitoso (…) e que seja uma homenagem aos que vivem dias muito mais difíceis que os nossos”.

Outro filme com apresentação nesta quarta-feira é “The eight mountain”, dos belgas Felix Van Groeningen e Charlotte Vandermeersch, sobre a amizade de dois garotos, um que vive na cidade, outro na montanha.

Sem dúvida, o momento mais esperado do dia será durante a tarde, com “Top Gun: Maverick”, de Tom Cruise.

A chegada ao tapete vermelho do astro de Hollywood, de 59 anos, promete ser espetacular. A Patrulha da França, esquadrão de acrobacias da Força Aérea, sobrevoará a Croisette durante a festa. Cruise, que visitou o grupo pela manhã, “inspirou uma geração de pilotos”, tuitou a patrulha, junto com uma foto com o ator.

Cruise esteve em Cannes pela última vez em 1992 com “Um sonho distante”, ao lado de sua esposa à época, Nicole Kidman. Agora, ele retorna na pele do veterano aviador, encarregado de treinar uma equipe para uma missão perigosa.

Ao contrário de outros grandes nomes de Hollywood, como Kevin Costner, Mel Gibson e Bruce Willis, o ator conseguir se manter em alta na maior parte de seus 40 anos de carreira, inclusive nos tempos atuais, quando os super heróis dominam o setor.

Com sua presença, o festival mantém a tradição de receber um grande número de estrelas da sétima arte em seu tapete vermelho, pode onde passaram recentemente Brad Pitt, Leonardo Di Caprio e Cate Blanchett.