Geral

Entidade de servidores da Anvisa diz que não vai tolerar pressões

A Associação dos Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou que os servidores não vão tolerar pressões no desempenho dos seus trabalhos e que as vacinas contra a covid-19 serão avaliadas segundo padrões técnicos e científicos.

O esclarecimento foi feito devido às recentes polêmicas envolvendo a compra da vacina Coronavac pelo Ministério da Saúde. A Coronavac é desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã.

“Independentemente de origem ou nacionalidade, os produtos serão avaliados dentro dos mais elevados padrões técnicos e científicos, com a finalidade de promover o acesso e proteger a saúde do povo brasileiro”, comunicou a Associação em nota.

Conforme a entidade, os servidores não irão tolerar quaisquer pressões de cunho político ou ideológico nos trabalhos. “Nesta oportunidade, manifestamos nosso apoio à diretoria colegiada da Anvisa, que vem se empenhando em favor da independência e autonomia da Agência.”

O órgão reforçou ainda o compromisso dos servidores da Anvisa em “manter a isenção, a integridade, a ética e a celeridade na análise dos processos regulatórios que envolvem os produtos destinados ao enfrentamento da pandemia pelo novo coronavírus”, disse.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ 10 coisas que os pais fazem em público que envergonham os filhos
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel