Artigos

Empresas rivais trabalham juntas para produzir vacinas contra o coronavírus

Empresas rivais trabalham juntas para produzir vacinas contra o coronavírus

Rivais em tempos normais, parceiros durante a crise: grandes grupos farmacêuticos tecem alianças com seus concorrentes, como a anunciada nesta terça-feira (3) entre as americanas Merck e Johnson & Johnson, para produzir vacinas contra o coronavírus.

– Quem ajuda quem? –

A emergência sanitária obrigou as empresas a mudarem sua estratégia desde o início. Em abril de 2020, a francesa Sanofi e a britânica GSK assinaram um acordo inédito para desenvolver em conjunto uma vacina (ainda em fase de testes): a Sanofi forneceu o princípio ativo, sua especialidade, e a GSK, o adjuvante.

Diante de atrasos, e influenciada por pressões políticas na França que exigiam acelerar a campanha de vacinação, a Sanofi anunciou no início de 2021 que colocaria uma de suas fábricas a serviço da produção da vacina americana Pfizer/BioNTech.

Desde então, alianças desse tipo se multiplicaram: a Sanofi fechou um segundo acordo europeu com a americana Johnson & Johnson, enquanto a suíça Novartis anunciou que vai produzir a vacina Pfizer/BioNTech.


+ Pastor é processado por orar pela morte de Paulo Gustavo
+ Vídeo: Aluno é flagrado fazendo sexo durante aula da UFSC
+ Ao preço de US$ 1.600 por kg, carne Ozaki é a mais cara do mundo



Por sua vez, a alemã Bayer fabricará até o final do próximo ano a vacina criada por seu compatriota CureVac, empresa de biotecnologia que se associou à GSK para seu desenvolvimento.

A última das alianças anunciadas é a conhecida nesta terça-feira, onde a americana Merck ajudará na produção da vacina Johnson & Johnson.

“É o tipo de colaboração entre empresas que tivemos durante a Segunda Guerra Mundial”, comemorou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

– Quem faz o que? –

No entanto, as funções são diferentes em cada caso. A Pfizer/BioNTech ou a Johnson & Johnson, que criaram as vacinas, terão o controle sobre a produção dos princípios ativos, substâncias essenciais para o seu funcionamento.

Bayer, Merck, Novartis e Sanofi estão entrando no movimento para embalar vacinas e colocá-las em frascos.

Esta etapa requer habilidades menos específicas apesar da complexidade técnica, principalmente em vacinas de RNA mensageiro, como a da Pfizer/ BioNTech, pois requerem condições de frio extremo.

Nesse sentido, a Sanofi escolheu sua fábrica em Frankfurt para a colaboração com a Pfizer, já que a empresa de biotecnologia BioNTech possui uma unidade na área, o que facilita a logística.

– Por que essas alianças ocorrem? –

A situação de cada um dos laboratórios que disponibilizam seus recursos para a competição é diferente.

No caso da Sanofi, ela continua com o desenvolvimento de seus dois projetos de vacina da covid-19, mas eles não estarão disponíveis antes do final de 2022.

A Merck, por sua vez, suspendeu as pesquisas sobre seus principais projetos de vacinas contra o coronavírus, considerando-os pouco promissores.

E, por último, a Bayer e a Novartis não são especializadas na área de vacinas, por isso não se apressaram em desenvolvê-la.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Gabriel Medina torna-se alvo de sites de fofoca
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS