Comportamento

Emmanuel e Brigitte Macron, uma história de amor atípica e fascinante

Emmanuel e Brigitte Macron, uma história de amor atípica e fascinante

Emmanuel Macron e sua esposa Brigitte Trogneux, no dia 22 de abril de 2017 - AFP/Arquivos

Emmanuel e Brigitte Macron têm uma diferença de idade de 24 anos, como os Trump, mas ela é mais velha e além disso foi professora dele na escola, uma atípica história de amor que fascina a imprensa mundial.

O presidente da França, jovem, bonito, e sua elegante esposa, loira e de olhos azuis, se apresentaram durante a campanha eleitoral como um casal unido, carinhoso e cúmplice. A imagem de um amor indiferente ao fato de ele ter 41 anos e ela ter 66 anos.

“A primeira recomendação aos Macron” dada por uma porta-voz do partido do então candidato, “Em Marcha!”, foi que “agissem como os Obama. Seguiram o conselho ao pé da letra!”, afirma à AFP Sophie des Déserts, jornalista da revista Vanity Fair France.

A fórmula funcionou, gerando o entusiasmo da imprensa: “A história de amor do século”, afirmou o jornal popular britânico Daily Mail. “O que apaixona nos Estados Unidos é a história de amor”, reconheceu Melissa Bell, correspondente da CNN em Paris.

“Tem 24 anos a mais! Como um casal assim funciona?”, se perguntou o tabloide alemão Bild.

– Brigitte, a qualquer custo –

Em 1993, com 15 anos, Emmanuel se apaixonou por Brigitte, que era sua professora de teatro em sua escola em Amiens, uma pequena cidade do norte da França. No entanto, na época Brigitte era casada e mãe de três filhos.

Mais tarde, declarou seu amor: “Aos 17 anos, Emmanuel me disse ‘Faça o que fizer, me casarei com você!'”, explica atualmente sua esposa, procedente de uma família de chocolatiers abastada.

“Não era como os demais, não era um adolescente (…) Eu estava completamente subjugada pela inteligência daquele menino”. E, “pouco a pouco, venceu todas as minhas resistências”.

Os pais de Macron, médicos, tentaram tirar a ideia de sua cabeça enviando-o a um instituto de prestígio em Paris. Mas ele não desanimou. “Tinha uma obsessão, uma ideia fixa: viver a vida que havia escolhido com aquela que amava. E fazer todo o necessário para conseguir isso”, explica o candidato à presidência francesa em seu livro “Revolucion”.

Alcançou seu objetivo em 2007: Macron e Brigitte se casaram. “Foi a consagração oficial de um amor primeiro clandestino (…) incompreendido por muitos antes que nos impuséssemos a eles”, afirma o ex-banqueiro e ex-ministro da Economia.