Economia

Emergentes melhoraram práticas de relações com investidores, diz instituto

Embora tenham melhorado as práticas de comunicação com investidores internacionais, economias emergentes ainda enfrentam desafios nessa área, de acordo com análise do Instituto Internacional de Finanças (IIF). A instituição estabeleceu um ranking dos países em desenvolvimento que apresentam os melhores níveis de transparência, e o Brasil apareceu na sexta posição, atrás de Indonésia, México, Rússia, Turquia e Peru.

“Manter boas relações com investidores – e aprimorar as práticas – será essencial para os mercados emergentes, dado o tremendo aumento no tamanho do universo da dívida desses governos, de menos de US$ 5 trilhões em 2005 para mais $ 23 trilhões este ano”, explica, em relatório divulgado neste sábado.

O IIF prevê que, na próxima década, o endividamento de emergentes vai crescer, em contraste com a austeridade vista nos últimos anos. Com os mercados domésticos ainda pequenos e fragmentados – e os recursos públicos limitados -, o acesso aos mercados internacionais será uma importante consideração para países vulneráveis de baixa renda que buscam fluxos de investimento para cumprir metas de desenvolvimento sustentável”, completa.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel