Mundo

Embaixada do Líbano no Brasil pede ajuda humanitária

SÃO PAULO, 7 AGO (ANSA) – A Embaixada do Líbano no Brasil publicou em seu site e em suas redes sociais um pedido de ajuda humanitária para o país após as explosões na área portuária de Beirute, ocorridas no dia 4 de agosto, e que deixaram quase 160 mortos e mais de cinco mil feridos.   

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Segundo o comunicado, são necessários “itens de gênero alimentício, em especial alimentos básicos, tais como trigo, farinha, grãos e comidas enlatadas de todos os tipos; materiais de construção de todos os tipos, dado o tamanho da destruição causada pela explosão, incluindo equipamentos elétricos e vidro; e instalações e equipamentos necessários para reconstruir e equipar o Porto de Beirute”.   

O pedido ainda destaca a necessidade do país receber assistência médica, “em todos os seus ramos” para o atendimento dos milhares de feridos, “além de todos os suprimentos cirúrgicos e hospitalares”.   

Entre os itens solicitados, estão tanto os produtos para a emergência como suprimentos médicos para o combate à pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2), que tende a se alastrar por causa tanto da falta de estrutura hospitalar – duramente afetada com as explosões – como pelo fato de mais de 300 mil pessoas estarem desabrigadas. Também são solicitados medicamentos para o câncer.   

Na página, há uma tabela com os itens alimentares e de construção mais urgentes no momento. Para quem puder fornecer o auxílio, a embaixada deixou seus contatos por WhatsApp (61) 99943-7880 e e-mail sec.embaixador@libano.org.br ou ainda a possibilidade de contato pela Câmara de Comércio Brasil-Líbano (CCBL) pelo WhatsApp (11) 95485-4899.   

Segundo estimativas do governo de Beirute, os danos financeiros devem ser de, no mínimo, US$ 3 bilhões (cerca de R$ 16 bilhões).   

Já a Agência das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) alertou para o grave risco de desabastecimento de grãos, base da dieta do país, porque as explosões destruíram os silos que armazenavam os alimentos. Além disso, o Líbano importa 85% de sua comida, que entrava, principalmente, pelo porto da capital. (ANSA).   

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea