Mundo

Em documentário, atriz Romy Schneider chora ao dizer que sua mãe teve relações com Hitler

Em documentário, atriz Romy Schneider chora ao dizer que sua mãe teve relações com Hitler

Em documentário que vai ao ar no dia 16 de setembro, produzido pelo canal ARTE, a atriz franco-alemã Romy Schneider (1938-1982) afirma que sua mãe foi para a cama com Adolf Hitler. A revelação é do tabloide “Bild”, um dos maiores jornais da Alemanha.

A produção mostra uma Romy inédita, que fala com voz baixa, chora de repente e faz a confissão de que sua mãe transou com o líder nazista. A entrevista, nunca ouvida antes, foi conduzida pela jornalista feminista Alice Schwarzer, em 12 de dezembro de 1976, para a revista “Emma”.

Ainda segundo a publicação, Romy e sua mãe, Magda, sempre tiveram uma relação complicada. A atriz nunca a perdoou por ela ter visitado Hitler em Obersalzberg, onde o líder nazista tinha sua casa de veraneio.

A gravação também revela pela primeira vez a fragilidade da mulher que anos depois tiraria a própria vida e que sofria de depressão, provocada também pela morte do filho.

A entrevista é em francês, porque depois de seis anos em Paris, Romy afirma que a língua se tornou sua “nativa”. À época, ela tinha acabado de se casar com Daniel Biasini, parecia confusa e, por diversas vezes, se acabava em lágrimas. “Por que eu não deveria chorar?”, pergunta.

Na entrevista, surgem fatos ainda desconhecidos de sua vida privada, como quando estava em Paris com Alain Delon, seu primeiro marido, e sofria por não ter mais papéis. “Eu era muito invejosa e pensava: o que vai ser de mim agora?”. A gravação nunca tinha ido ao ar por um pedido da própria Romy.

“Nunca falei disso com ninguém porque respeitei sua vontade. Mas para entender o seu desespero, a sua vulnerabilidade, deve-se saber disso. E agora é bom dizê-lo”, afirmou Schwarzer. (ANSA)