Em sua demissão, Moro acusa Bolsonaro de vários crimes

Crédito: Divulgação

(Crédito: Divulgação)

Depois das declarações do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, não há condição de que Jair Bolsonaro continue à frente da Presidência da República. Moro apresentou, serenamente, registre-se, vários crimes cometidos por Bolsonaro. Chegou até a lembrar que não assinou a exoneração do delegado Maurício Valeixo da direção geral da Polícia Federal – mais um crime, neste caso de falsidadede ideológica.

Nas últimas semanas – e o leitor de IstoÉ pôde acompanhar –, Bolsonaro atacou frontalmente a Constituição Federal. Fez questão de desmoralizar as instituições, incitar à subversão social, desorganizar a ação do Ministério da Saúde no combate ao coronavírus. Atacou sistematicamente a imprensa e, como um verdadeiro mantra, fez questão de jogar brasileiros contra brasileiros.

Moro lembrou que Bolsonaro queria usar a Polícia Federal para seus interesses pessoais. O temor era, especialmente, com a superintendência do Rio de Janeiro. Não por acaso. Lá a família Bolsonaro cometeu diversos crimes, de acordo com as denúncias publicadas na imprensa. Disse Moro que Bolsonaro queria saber das investigações sigilosas da PF.

Inacreditável!

Depois das revelações de Moro, resta a Bolsonaro dois caminhos: a renúncia ou tentar resistir (solitariamente, sem bases políticas e sociais) a um processo de impeachment. O Brasil não pode suportar a possibilidade de, até 31 de dezembro de 2021, ter à frente do Executivo Federal alguém acusado de vários crimes contra a República.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Se um processo de impeachment é penoso – apesar de que é possível apressá-lo –, muito pior será ter na Presidência da República um psicopata que conspira sistematicamente contra o Estado democrático de Direito. A sorte está lançada, diria o grande César. O Rubicão é o espelho d’água do Palácio do Planalto.

A República está em perigo. O Brasil está sob ameaça. Temos a maior crise sanitária da história republicana, a mais grave crise econômica dos últimos cem anos, um conflito entre os Poderes fomentado pelo Executivo e no horizonte a possibilidade da eclosão de uma comoção social jogando o País numa guerra civil.

Temos de interromper esse processo. Qual o caminho? A Constituição. É a arma dos democratas, dos republicanos. Basta cumpri-la. E sairemos desta gravíssima crise.

 

Veja também

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.