Mundo

Em meio a protestos, Congresso chileno inicia debate para descriminalizar aborto

Em meio a protestos, Congresso chileno inicia debate para descriminalizar aborto

Ativistas participam de manifestação a favor da descriminalização do aborto no Chile, em frente ao palácio presidencial La Moneda, em Santiago, em 13 de janeiro de 2020 - AFP

Santiago foi palco de protestos pacíficos liderados por mulheres que exigiam a legalização do aborto, nesta quarta-feira (13), dia em que o Congresso iniciou a discussão sobre a descriminalização da interrupção da gravidez até 14 semanas.

Os protestos se concentraram no centro da capital chilena, onde mais de 200 mulheres se reuniram nos arredores do palácio do governo, La Moneda. Elas usavam lenços verdes, símbolos da resistência feminina que se espalhou pela América Latina em defesa dos direitos sexuais e reprodutivos.

“Aborto livre, seguro e gratuito”, lia-se nos lenços das manifestantes, que também realizaram a performance “Um estuprador no seu caminho”, popularizada mundialmente pelo coletivo chileno Las Tesis.

O Chile era uma das poucas nações que não permitia a interrupção da gravidez em hipótese alguma, depois que o ditador Augusto Pinochet a proibiu no último ano de sua ditadura (1973-1990).

Só em 2017 foi promulgada no país uma lei que para permitir o aborto em três situações: risco de vida da mãe, estupro ou impossibilidade de vida do feto.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Essas causas, porém, incluem apenas 3% dos milhares de abortos clandestinos que acontecem no país, afirmam os movimentos sociais, que consideram a legislação atual insuficiente.

Os protestos foram convocados no mesmo dia em que o Congresso iniciou a discussão do projeto de lei que visa descriminalizar o aborto de fetos de até 14 semanas. Apresentado em 2018 por deputados da oposição, o texto visa evitar a prisão de mulheres que optam pelo procedimento nesse período.

Na proximidades do Congresso, foram registrados incidentes entre ativistas a favor e contra o aborto, obrigando a polícia a intervir e dispersar os grupos.

Em dezembro, o Congresso da Argentina legalizou o aborto no país também em meio a manifestações em frente à casa legislativa, em Buenos Aires.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Veja o significado dos 10 sonhos mais comuns
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel